Archives For July 2010

O novo CD do Mark Ronson, que agora tem uma banda, chamada Mark Ronson & The Business, só chega aos nossos ouvidos dia 29 de setembro, mas não vamos ter que esperar até lá para ouvir algumas faixas, né? Você conferiu Circuit Breaker,  com um clipe inspirado no videogame Zelda, e a legal Bang Bang Bang, com a charmosa MNDR. Enquanto nenhuma dessas me chamou a atenção o bastante, foi a terceira faixa do disco, Lose It In The End, que mais se parece com os trabalhos anteriores do cara. Com a participação do rapper Ghostface, e o próprio Mark Ronson apostando no vocal (bem divertido, e gaguejante, por sinal), embora a música passe rápido com apenas 2 minutos, continua soando como uma música completa. O cara ainda se apresenta no Brasil esse ano, e para conferir o tracklist do novo álbum completo (e suas participações especiais), basta clicar no jump abaixo.

♫ Mark Ronson – Lose It In The End (Feat. Ghostface)

Veja a tracklist completa aqui!!!

Sumida e com um novo álbum sendo preparado, vazou ontem na internet 3 demos bem antigas da sra. Spears, e dentre elas Mad Love. A mais interessante das três, a música não parece com muita coisa que Britney já gravou, exceto pela voz extremamente sexy e o ritmo sensual, à-la Gimme More. Mas ao invés de apostar no eletrônico, temos uma batida relaxante com um sample de um saxofone, que parece ter sido tirado daqueles clássicos filmes noir, tudo cantado sem nenhum autotune ou alterações na voz da cantora. O refrão é legal, e a música, se finalizada, não receberia nenhuma reclamação minha se aparecesse em seu novo álbum.

Britney Spears – Mad Love

Não dei muita atenção para o primeiro álbum do Tokyo Police Club, e o segundo, Champ, lançado esse ano, quase me passou também. Felizmente, decidi ouvir Breakneck Speed, embora um pouco atrasado, que é primeiro single do novo trabalho, e não poderia ter ficado mais satisfeito. A música é puro rock, e bem menos dançante que as anteriores da banda, mais “tranquila” (entre aspas!) e soa como se eles realmente tivessem crescido. Guitarras, woooh woooh’s de refrão, melodias meio estranhas, e aquelas pausas constantes no ritmo, para voltar com tudo após alguns segundos, formam uma deliciosa música de se ouvir deitado na cama, só viajando no ritmo. Algumas bandas soam datadas quando tentam ser pretenciosas demais, nessa aqui entretanto, o Tokyo Police Club acerta em cheio.

Tokyo Police Club – Breakneck Speed

Depois de um começo turbulento, dois anos para criação de um álbum e problemas com a arte da capa, os americanos do Elsinore se preparam para o lançamento de seu segundo álbum, Yes Yes Yes. Quando você começar a ouvir o primeiro single, de mesmo nome que o álbum, nunca imaginará que com um começo desses estará gritando o título da música em pouquíssimo tempo. Preocupados em aplicar aquela dose de diversão sem compromisso, o que começa como uma grande balada pop termina em catarse, com trompas,  guitarras, pianos e todo um coro cantando o refrão aos gritos. E além do mais, quem nega um refrão com palmas?

Elsinore – Yes Yes Yes

Conheci Zola Jesus, pela primeira vez numa capa que me chamou muita atenção: a cantora, Nika Danilova, estava sendo afogada por uma calda de chocolate. Lançou dois EPs então, um chamado Tsar Bomba, e outro chamado Stridulum, pulando do som barulhento e inacessível que fazia, para se transformar numa semi-diva gótica, com sintetizadores e tudo mais. Logo mais, a cantora anunciou seu projeto paralelo Nika+Rory, onde decretou de vez seu apego à música pop (e igualmente incrível). Qual o próximo passo para Zola Jesus? Ora, já que vamos ser pop, vamos refazer o primeiro EP! Daí saiu Sea Talk, essa incrível canção que está sendo distribuída de graça, que apareceu originalmente no primeiro EP da cantora. A música está mais clara, com uma produção melhorada, e soa exatamente como o prometido, onde cantos preparados para catedrais  se misturam a um vocal sombrio, coberto por um clima gótico. Com um estilo único, tanto visual quanto sonoro, só espero coisas boas de Zola Jesus agora.

Zola Jesus – Sea Talk

Postei aqui semana passada a nova música da La Roux, Under My Thumb, o cover do The Rolling Stones, e hoje me vem a surpresa. Achei até curta demais, com menos de dois minutos, até que hoje a música saiu oficialmente no iTunes, e embora não tenha nenhuma variação muito grande, ela se extende por 3:30 minutos. Embora a qualidade esteja bem melhor agora, continuo com a mesma opinião que postei aqui, e ainda prefiro a segunda música que saiu da La Roux, com o DJ Skream, Finally, que você pode conferir no post também.

La Roux – Under My Thumb (The Rolling Stones Cover)

Favoritos aqui da casa, o pessoal do LCD Soundsystem, até então meu CD favorito do ano, como você já viu aqui, acaba de ser homenageado de uma forma brilhante. See Green, cantora até então desconhecida pela blogosfera, decidiu declarar seu amor pela banda num cover de 4 minutos da quase-clássica I Can Change do grupo. Dando um ritmo mais rápido, e incrivelmente, mais roqueiro do que a original, a música exala diversão, e sai do tom romântico-eletrônico para o divertido-atrevido. A parte mais legal é na metade, nos 2:50 minutos, quando um cara grita em voz alta os títulos dos maiores sucessos da banda. Cover do ano?

See Green – I Can Change (LCD Soundsystem Cover)

Visto lá no WAWSTS