Archives For May 2011

Les Mistons, ou Os Perversos para quem fala francês, é composta por três integrantes que são amigos desde os 11 anos, e é uma banda com um grande potencial. É claro, falamos de tantas bandas com potencial por aqui, mas basta uma audição do primeiro single dos caras para entender o que estou querendo dizer dessa vez. Tudo bem que eles podem um dia lotar arenas e festivais, mas o potencial a que me refiro é o de criar músicas que soam grandiosas.

Como disse, “Keep Flying” exemplifica bem isso. Ela é uma daquelas músicas onde nenhum julgamento pode ser feito até o final dos seus cinco minutos, que demanda sua atenção no início com fogos de artifício e  uma atmosfera que te prepara para a bateria, que esquenta um bom tanto as coisas. Mas é no refrão o seu auge, repleto de momentos que vão te fazer enxer o pulmão para cantá-lo, onde o título é repetido diversas vezes com um “woah-oh” cantado de fundo. A música é alta, tem guitarras em reverb e uma melodia impecável, mas enquanto o SoundCloud da banda diz que essa é a “nova versão” da música, esperamos que não seja a final, visto que o cheiro de “demo” ainda é sentido aqui. Mas se algum desses produtores de rock encontrar essa aqui, o resultado será adorável, para dizer o mínimo. Por isso os Les Mistons são promissores. Ouça logo abaixo.

Les Mistons – Keep Flying

Quem acompanhou o blog nos últimos meses sabe que a paixão que temos pelo The Knocks e seus remixes, e agora, pelo seu coletivo musical. Composto pela também querida Alex Winston, o duo de DJs acabaram de revelar o terceiro integrante de sua família, o St. Lucia.

Não é uma mulher e nem uma banda, mas sim um cantor/produtor, um verdadeiro one-man-band, que nasceu na África do Sul e morou um tempo na Inglaterra, agora vive aventuras no Brooklyn, em Nova York,  onde atualmente está experimentando em seu primeiro EP os sons que coletou ao redor do globo. Sintetizadores, como de praxe, aparecem por toda parte aqui, mas bem diferente do tom disco dos The Knocks.  “The Old House Is Gone”, sua primeira e única canção, soa exatamente como um cantor experimentando com tudo o que há de bom na música alternativa dos últimso anos, com uma produção que mistura diversos sons ao mesmo tempo, chegando a lembrar o som multi-camadas do Animal Collective. O clima tropical eletrônico também lembra o de “Summertime Clothes”,  mas com um refrão menos evidente, que revela seu brilho com o tempo. Confesso que não dei muito bola quando ouvi pela primeira vez, mas garanto que dentro de algumas audições estará tão encantando e curioso quanto nós. Confira logo abaixo, e aguarde por mais novidades do cara, que prometeu um “mini-álbum” para muito em breve.

St. Lucia – The Old House Is Gone

Depois de mais de 30 músicas distribuídas de graça em dois EPs deliciosos, Chiddy Bang deu início a uma febre de samples de música indie misturados ao hip hop, que influenciou mais no mínimo três rappers a fazerem igual. Mas ninguém faz como Chiddy, e parte do mérito, é claro, fica pro outro integrante da dupla, o produtor Xaphoon Jones, de apenas 20 anos. Mas como todo mundo tem que pagar as contas, a dupla se prepara para o lançamento do primeiro disco, The Good Life, mas antes disso, uma última coleção de músicas está sendo distribuída, na mais nova mixtape Peanut Butter and Swelly.

E bem, o que eu gostaria mesmo de postar aqui era o próximo single do cara, que tem sample de “Manners”, da Icona Pop, mas apesar dele não estar incluso nessa mixtape, acabei encontrando uma outra pérola. “All Over”, uma das últimas do disco, aparentemente não tem sample de nenhuma música, pelo menos que eu conheça, e tem no refrão os vocais de outro artista do Brooklyn, Gordon Voidwell. A produção do Xaphoon como sempre está encantadora, com Chiddy mandando alguns dos seus melhores versos, fora o refrão, que apesar de simples é bem legal. É uma daquelas faixas inocentes, escondida no fim do disco, mas que talvez acaba superando as outras de samples famosos. Ouça logo abaixo.

Chiddy Bang – All Over (Ft. Gordon Voidwell)

É claro, se quiser baixar mais uma ótima mixtape do Chiddy, com 15 faixas maravilhosas para o final de semana com samples de The Knocks, Matt & Kim, Hockey, Flux Pavillion e muitas outras coisas legais, é só clicar aqui e aproveitá-la ao máximo.

Você provavelmente já ouviu falar no Baby Monster, só não sabia o que eles eram. Além de aparecer aqui no blog com um remix da Ellie Goulding, basicamente, esse duo de Portland passou os últimos dois anos fazendo remixes para gente como Wolf Gang, Gorillaz e Florrie, além de abrir shows para o Metrix, os Klaxons e o Miike Snow. E por falar nesse último, se assim como nós você tem uma queda pelo pop com sintetizadores que os criadores de “Silvia” fazem, se prepare para ficar encantado com a primeira prévia do álbum original do Baby Monster.

Danny Sternbaum e Marty Xu são os criadores de “The Fear Of Charlie Sunrise”, que basicamente tem tudo o que precisa para aparecer em nossas páginas. Sintetizadores, refrões sensíveis, uma produção limpa e um break que se destaca são alguns dos pontos altos desse single pop, que ainda promete tomar conta de muitos blogs em 2011. Se você pensou logo no The Sound of Arrows quando leu isso, bem, é basicamente assim que eu gostaria que o novo single deles soasse – bonito e agradável. Confira logo abaixo.

Baby Monster – The Fear of Charlie Sunrise

Mas é melhor a banda se apressar para espalhar seu “hit feito pra blog”, pois parece que o disco, auto intitulado, sai agora dia 27 de Junho. Sendo um sucesso ou não, mal posso esperar para ouví-lo por completo.

Todo mundo e suas mães não sabem ouvir outra coisa saindo da minha boca além de elogios pro Foster The People e seu incrível debut, Torches. Mas convenhamos, não é todo dia que vemos o crescimento de uma banda ser tão bem sucedido, pelo menos na qualidade, e enquanto lá fora a animação é generalizada, será apenas uma questão de tempo até que blogs e festivais brasileiros se curvem aos caras.

Mas se você acha que já ouviu tudo o que o Torches tinha de bom, espere um pouco pra ouvir “Broken Jaw”. A música, que era uma das favoritas dos fãs em seus shows, acabou ficando de fora do disco, mas felizmente acabou de sair como uma faixa bônus do iTunes. E tenho que confessar, que bônus! Ao contrário de algumas do disco, “Broken Jaw” supera as expecitativas criadas pela sua versão ao vivo, e chega com gloriosos seis minutos que prometem extender mais um pouco esse belo disco. Com um começo típico da banda, cheio de sintetizadores, guitarras e um “yeah yeah”, a música logo revela seu refrão que não é lá dos melhores, mas que compensa com seu final. O “final” em questão começa na metade, onde tudo pára e a música chega a parecer outra, com os instrumentos e os vocais de Mark Foster crescendo de uma forma furiosa, chegando aos gritos em seu final, onde ele finalmente canta o título da música. Talvez uma das menos comerciais da banda, mas não há como negar que é mais uma brilhante música para o singelo repertório dos caras.

Foster The People – Broken Jaw

Se ainda não ouviu o Torches, pode ouví-lo por completo aqui, e se você ainda não conhece a banda, passa aqui e ouça “Pumped Up Kicks” e “Helena Beat”, os dois primeiros singles, e fique tão animado quanto a gente. A música foi dica do nosso leitor Júlio Avelino.

Canções sobre o fim do mundo estão em alta em 2011, e só imagino o tanto que ainda vai sair ano que vem. Mas de todas elas, foi o primeiro single do novo álbum do YACHT, “Dystopia (The Earth Is On Fire)”, que mais nos fez dançar e pensar na mesma proporção. Cheia de sintetizadores, um refrão fácil de cantar e uma mensagem que ia além do assoviável, a música foi o primeiro gostinho do novo disco do duo, Shangri-La, que nos deixou ansiosos para mais. E não precisa esperar, pois o segundo single já chegou, e assim como o primeiro é uma delícia de se ouvir, mas por alguns motivos diferentes. “I Walked Alone” segue o mesmo caminho místico do single anterior, falando da Lua, do Sol e da Terra, mas ao invés de sintetizadores e um refrão marcante, vem um baixo pegajoso e riffs de guitarra e teclado, que se espalham por cinco minutos de pura animação disco, culminando num daqueles finais onde o refrão só mostra a cara nos últimos segundos. Mas com um recheio funky, que te deixará mexendo os pés logo no início, chegar até ele não será trabalho nenhum, muito pelo contrário.

Ouça logo abaixo, e se prepare para o Shangri-La, que chega no dia 21 de Junho, pela DFA.

YACHT – I Walked Alone

O Friday Mixes depois de sumir na semana passada ressurge dessa vez mais forte do que nunca, com alguns dos  meus remixes favoritos do ano. É até covardia dar algum destaque hoje, pois esse é daqueles que não tiro nenhum, mas se é pra dizer quais são melhores, fico com a parceria inusitada que o The Sound of Arrows fez com a Nicole Scherzinger, da Pussycat Dolls, e o remix incrível da nova música do PNAU, que nem saiu ainda na versão original e já tá me dando medo de pensar o quão boa ela vai ser! Mas ouça tudo, seguidinho, que hoje o Friday Mixes tá redondo! Bom final de semana, e apertem o play sem moderação!

Friday Remixed 21 by luissal

.

Beyoncé – Crazy In Love (Fare Soldi Chiapponzilla Remix)

Esse é o terceiro Friday Mixes que tem Beyoncé! Mas aqui, o grupo de DJs italianos Fare Soldi, ao invés de inventar alguma outra loucura com “Run The World”, voltam pra um dos seus melhores hits, “Crazy In Love”. O remix é novíssimo, então dá pra esperar uma produção atual, que aqui aproveita apenas alguns vocais da cantora, mas cria um remix intenso com muito gingado disco, pronto para te fazer dançar do jeito mais maluco na pista! Detalhe: os “oh oh”s de Beyoncé nunca foram tão legais/bem aproveitados!

Beyoncé – Crazy In Love (Fare Soldi Chiapponzilla Remix)

.

PNAU – Solid Ground (Cassian Remix)

Remix avassalador a vista! Não costumo postar remixes de faixas que não bloguei ainda, mas essa tem um bom motivo: ela não existe ainda! Até porque desde que me apaixonei por “The Truth”, o novo single dos australianos do PNAU, estou procurando qualquer material novo deles pra postar aqui, e esse remix, que surgiu ontem, já dá um bom gosto do que vem por aí. Disco, funky e com um baixo incrível, a faixa tem um refrão inusitado e um climax de arrepiar, que já nos deixa apaixonado pela música mesmo sem saber como é a original. E é melhor ela sair logo, se não depois vou estranhar a outra versão… Mas enquanto isso, essa aqui fica no replay infinito no final de semana. E fiquem atentos, assim que sair a versão original, postaremos aqui na hora!

PNAU – Solid Ground (Cassian Remix)

.

Justin Timberlake – LoveStoned/I Think She Knows (Kaskade Remix)

Essa aqui eu resolvi reviver das cinzas, confesso, e é o único do post com mais de duas semanas de vida. Mas quem dispensa um bom remix, mesmo que um pouco velhinho? Esse aqui foi lançado em 2008, junto com outros remixes famosos como o do Justice e do Tiesto, e por isso passou batido por muita gente. E como sabem do meu amor pelo Kaskade, acabei achando essa pérola em sua discografia, e bem, é tão boa quanto suas produções atuais. Uma das músicas mais legais do Justin têm sua estrutura inalterada, porém com batidas imensas que caberiam bem num clube de Ibiza, sem contar dos vários momentos explosivos que aparecem por toda faixa.

Justin Timberlake – LoveStoned/I Think She Knows (Kaskade Remix)

.

Foster The People – Pumped Up Kicks (Gigamesh Remix)

Quem me acompanha no twitter sabe o desespero que foi quando achei o Torches, o debut do Foster The People, em uma das esquinas da internet. E no mesmo dia, saiu esse remix aqui, que de tão foda tratei de zipar com o álbum e espalhar pros meus seguires, então se já ouviu, mil desculpas – mas é que sou um tanto afobado mesmo. Se está no barco dos que ainda não ouviram essa pérola, bem, vocês já conhecem o Gigamesh né? “Pumped Up Kicks” vira um electro com classe, que se espalha por cinco minutos sem perder o pique e o brilho. Mais uma pra singela coleção de remixes brilhantes do Foster.

Foster The People – Pumped Up Kicks (Gigamesh Remix)

.

Nicole Scherzinger – Right There (The Sound of Arrows Remix)

Chame de inusitado, surpreendente, o que você quiser – mas sim, o duo adorado pela blogosfera The Sound of Arrows remixou uma música da ex-integrante do Pussycat Dolls, Nicole Scherzinger. A original, que é um batidão pronta para as rádios, fica menos acelerada aqui e ganha todo o tratamento de sintetizadores luxuosos do duo, que até adicionam seus vocais na parte mais legal da música (wow oh oh!). O maior destaque, entretanto, fica pro break, que enquanto na versão original tinha Nicole quebrando todos os recordes de grito da Mariah Carey, têm o duo matando todos com um solo de sintetizadores adorável. Simplesmente maravilhoso.

Nicole Scherzinger – Right There (The Sound of Arrows Remix)

.

Swedish House Mafia – Save The World (Mikael Wills & Justin Sane Remix)

O que acontece se um dos maiores singles de house do ano fica ainda mais intenso? Nem precisa imaginar, pois é só apertar o play aqui em baixo que você vai ver a mágica que o Michael Wills e o Justin Sane fizeram com “Save The World”, o próximo hit do Sweedish House Mafia. Os caras já apareceram aqui num remix de “Inside Out”, da Britney, agora estão adicionado no futuro hit house batidas electro pesadas, subidas e descidas que vão fazer todos pirarem nas pistas e encurtando a música para quatro minutos. Talvez esse seja o único defeito desse aqui, pois por mim, podia ficar nisso por mais uns três minutos.

Swedish House Mafia – Save The World (Mikael Wills & Justin Sane Remix)

.

Martin Solveig – Hello (The 14th Minute & Steve Frank Remix)

E eis mais um remix acima do excelente de “Hello”, o hit do Martin Solveig. Tambores e palmas anunciam o começo da música, que logo dão espaços para um piano e o doce vocal da Dragonette que tanto gostamos. Mas é no refrão, a melhor parte da música, que o remix mostra ao que veio. Sintetizadores engraçados tomam conta da parada, que soa como se “Hello” resolvesse ir a praia com a La Roux e ficasse um pouco bêbada no caminho. É um remix bem divertido, que vai agradar quem gosta da original, apesar de ser um pouco diferente.

Martin Solveig – Hello (The 14th Minute & Steve Frank Remix)

.

Lady Gaga – Judas (Hurts Remix)

Vocês já repararam uma coisa bem engraçada em “Judas”? A música fala de um dos maiores vilões da bíblia, mas tem um refrão tão feliz que até tira um pouco do seu brilho. Parece que o Hurts também sentiu isso, e seguiu pela linha que a música deveria ter seguido desde o início. Um remix dark, teatral, com todo um clima de cemitério e vocais distorcidos que parecem até regravados. Eu ainda prefiro a original, mas não há como negar que esse remix condiz muito mais com o tema da música. O final é um destaque a parte, com um belo violão adicionado ainda mais drama à faixa.

Lady Gaga – Judas (Hurts Remix)

.

[PACOTE COMPLETO] ♫ Friday Mixes XX

Friday Mixes XXI by luissal

*Como sempre, o SoundCloud proibindo a gente de postar algumas músicas. Dessa vez, ficou de fora do player acima a Lady Gaga, que vocês podem ouvir apertando o botão de “play” abaixo da descrição acima, ou até mesmo na nossa setlist completa, sem cortes, logo no início do post.