Archives For January 2012

Além das já confirmadas colaborações com a Madonna (inclusive em seu próximo single), M.I.A. parece estar pronta para lançar o seu quarto disco de estúdio, ainda não intitulado. Às vésperas de uma (grande) apresentação com a rainha do pop no Superbowl, a cantora aproveitou o timing para lançar seu novo single, que teve seu audio liberado hoje e seu vídeo, dirigido por Romain Gavras (o mesmo de “Born Free”), a sair na próxima sexta feira.

“Bad Girls” teve sua demo liberada em uma mixtape que lançou ano passado, a Vicki Leekx, mas volta para o novo álbum em formato retrabalhado, com um minuto extra de duração e uma produção mais polida, cuidadosamente feita pelo ótimo Danja (Britney Spears, Missy Elliot). A música traz batidas urbanas características do produtor, que foge do electro-pop do último disco e se assemelha mais aos seus trabalhos anteriores, contendo ainda uns divertidos samples árabes e um refrão fácil e declaradamente pop, que funciona como uma ode às “bad girls” da vida.

M.I.A – Bad Girls

O novo disco de M.I.A., ainda não intitulado, sai no verão norte-americano (até Agosto).

Depois de um dos melhores debuts de 2009, todos estão ansiosos para o novo disco do Miike Snow, anunciado no final do ano passado, chamado de Happy To You. O anúncio foi sucedido sem muita demora por um single promocional, “Devil’s Work”, que carregava uma atmosfera densa e lotada de pianos e trompetes dramáticos, suficiente para deixar os fãs ainda mais impacientes. Felizmente, depois de alguns anúncios e alguns vídeos promocionais, hoje o trio liberou o que irá ser o primeiro single oficial do próximo projeto, “Paddling Out”.

Soando quase como o extremo oposto do lançamento anterior, o novo single parece compartilhar com “Devil’s Work” somente os frenéticos pianos que já chegam abrindo a faixa. Com uma vibe que parece fazer jus ao título do disco, a canção nos apresenta sintetizadores felizes e versos dançantes, complementados por um refrão pouco convencional cantado a gritos e bem mais descontraído que anterior, daqueles que grudam com a facilidade que só o trio sabe fazer. A produção detalhada ainda conta com as típicas regalias do Bloodshy & Avant, como vocais distorcidos e cheios de efeitos, além de outras surpresas que pedem por um fone para serem ouvidos. O mundo do electro-pop sentia sua falta, Miike Snow.

Miike Snow – Paddling Out

A canção é o primeiro single do Happy To You, novo álbum do trio e com lançamento previsto para o dia 26 de Março, pelo selo Downtown/Columbia.

Se passaram já quatro anos desde que Santi White, mais conhecida como Santigold, nos apresentou seu primeiro e absurdamente contagiante disco, o Santogold. Durante esse tempo fora dos estúdios, pudemos apenas nos contentar com uma série de participações em que esteve e vários remixes de suas faixas, que foram tocadas a exaustão pelo mundo afora.

Agora, já finalizando o sucessor, Master of My Make-Believe, ela acaba de divulgar seu novo single, “Big Mouth”, produzido pelo badalado Switch (metade do Major Lazer). A receita é simples e já conhecida, mas muito bem executada. Trata-se portante de um número esquizofrênico e até sem sentido no início, mas a mistura do dub com percussões tribais e até elementos do rap não só faz sentido no final, mas acaba servindo como uma espécie de convocação a todos os ouvintes para a pista, graças também às suas batidas sintetizadas que combinam com a voz rouca de Santi e aos corais de fundo, que criam uma atmosfera ainda mais dançante. O videoclipe, é claro, dirigido pelo SSION, não podia ser nada além de uma enorme explosão de cores e careografias exóticas, uma combinação totalmente condizente com o perfil da música.

Santigold – Big Mouth

O novo disco da Santigold deverá ser lançado até o final do verão norte-americano e ainda contará com produção do Dave Sitek (do TV On The Radio/Maximum Baloon) e do Nick Zinner (Yeah Yeah Yeahs).

Mais uma vez a cidade maravilhosa nos surpreende com seus sons vindo de diversos artistas que encontram lá a sua inspiração; não, não estamos falando da MPB nem do samba carioca, mas sim do rock nacional, de primeira qualidade. Driving Music é o projeto musical de Fábio Andrade que, em 2007, resolveu sair de uma banda de punk rock e dar forma às suas próprias composições, criando uma espécie de coletivo em que diversos músicos podem tocar e o acompanhar em seus shows.

Lançou seu primeiro EP em 2010, que incluía um cover do The National (que junto com o Wilco se tornou as principais influências dele), e em Dezembro passado lançou o Comic Sans, seu primeiro disco, que trouxe o single “Orange Traffic Cones”, título do post. A música em questão é absurdamente acalmante e familar, repleta de leves riffs distorcidos de guitarra mesclados a pitadas de folk, narrando a história de uma garota em dias complicados. Uma boa música para se ouvir nos dias mais nublados do verão…

Driving Music – Orange Traffic Cones

Para quem curtiu, Fábio disponibiliza em seu site toda a sua discografia gratuitamente, ótima opção para download.

Apesas das raras excessões, são poucas as verdadeiras estrelas descobertas pelos reality shows musicais, mas se o primeiro single da Pepper é alguma indicação, essa será a origem da nossa próxima popstar britânica. A garota participou do programa Must Be The Music em 2010, uma espécie de X-Factor mas onde os artistas devem compor suas próprias músicas. Pepper participou na verdade como um duo junto com sua amiga Piano, e a propósito, não chegaram a ganhar, mas o mentor do programa, Dizzee Rascal, viu na cantora potencial suficiente para assiná-la e guardá-la sob as próprias asas. Dizem que só nos 10 primeiros dias do processo de composição eles escreveram 14 músicas juntos, com Dizzee aplicando sua produção contemporânea sobre os versos clássicos de Pepper, cujo primeiro resultado sólido saiu hoje, sobre o nome de “Wish It Away”.

A canção já estava rodando pela internet sob uma versão acústica que demonstrava o poder vocal da garota – algo entre a docilidade de uma Katy B e a ferocidade de uma Adele – mas o que mais ficava em evidência era seu carisma tímido, aquele mesmo que nos fez cair de amores pela Nicola Roberts ano passado. Em sua forma acústica a canção já soava como um clássico pop, regada a uma composição autoral que conta toda a sua trajetória até então e com um refrão instantâneo e automaticamente brilhante, difícil de não gostar. A versão original, entretanto, saiu hoje mas deixou um pouco a desejar, trazendo batidas drum & bass misturadas à violinos excitados e alguns sintetizadores que parecem fora do lugar, nada surpreendente mas também incapaz de tirar o brilho da melodia original e principalmente do seu refrão, cantado com toda vontade. Bem produzida ou não, com o apoio que está recebendo e com um belo coração por trás de sua carcaça enferrujada, não acho que terá dificuldade para obter o sonhado “sucesso”, e sinceramente, nós torcemos para que Pepper seja uma daquelas excessões citadas no início. Alguém ansioso para ouvir as próximas 13 músicas?

Pepper – Wish It Away

Recomendo que assistam primeiro à versão acústica e depois ouçam à versão de estúdio – só pra sentir a diferença. Como falamos, a cantora acabou de lançar o single, está com mais de 20 shows programados só entre Fevereiro e Março, então seu próximo passo ainda é incerto. Mas estaremos de olho.

Formada pelos australianos Chris Holland e Tim Commandeur, ambos integrantes do Operator Please, o Colour Coding é a mais nova banda que parece pegar influências das praias e dos dias mais ensolarados da Austrália para criar irresistÍveis melodias pop que vão arrancar alguns sorrisos e deixar seu dia um tanto mais agradável. Depois de passarem 2011 inteiro escrevendo canções para seu debut, o duo está pronto para lançar o primeiro EP, Proof, de cinco faixas mas que já teve seus dois primeiros singles revelados.

O primeiro deles, “Perfect”, é basicamente aquela música pop que soa pronta para o verão e não poderia ter sido escrita em outro lugar se não a costa australiana. Repleta de guitarras felizes, sintetizadores suaves, uma percussão afiada e melodias alto-astral, como se não fosse o suficiente para mandá-la direto para a 1ª posição da sua playlist de verão, a música ainda conta com os assovios mais divertidos que ouvimos desde “Pumped Up Kicks”, do Foster The People, soando na verdade como uma mistura da última com o clima um pouco mais agitado de “Young Folks”, do Peter, Bjorn & John. Não que soe como essas bandas, mas se o indie-pop caloroso do Two Door Cinema Club e do Friendly Fires te agrada, não terá o que reclamar dessa aqui.

Colour Coding – Perfect

O segundo gostinho do que está por vir é o indie-rock “Kick”, lançado semana passada. Dessa vez bem menos feliz que o single anterior, a canção deixa de lado os assovios grudentos e o clima descompromissado a favor de uma sonoridade mais séria e até mais pretensiosa, com guitarras dançantes e um refrão mais antêmico que parece tirar uma lição ou duas do Phoenix para criar aquela melodia que você não consegue evitar e acaba cantando junto.

Colour Coding – Kick

O EP de estreia do duo, Proof, ainda não tem data de lançamento, mas já estamos ansiosos para ouví-lo.

Se assim como nós você é fã de música eletrônica e não perde uma boa festa, certamente já deve estar sabendo da vinda do Fatboy Slim ao Brasil, um dos maiores DJs do mundo, que traz sua nova turnê a cinco cidades brasileiras, com uma apresentação regada a muitos efeitos especiais, luzes e tudo o que um bom festival eletrônico precisa. É só olhar o vídeo-promocional e as fotos do seu show que verão que não estou mentindo – o show é de tirar o fôlego.

A gente sabe que é verão, tá todo mundo de férias e que nessa época a grana costuma evaporar mais rápido do que de costume, então por isso nos juntamos à DORITOS para distribuir nada menos que SEIS pares de ingressos para o show do cara. São doze ingressos que sairão só para os leitores do blog, e se quiser participar, basta seguir as regras, logo após o jump.

Confira as regras e participe! »