Friday Mixes – Vol. #36

Luis Felipe —  09/03/2012 — 5 Comments

Três meses separam esse Friday Mixes do último que fizemos, e os pedidos foram tantos que tive que deixar a preguiça de lado por uma sexta-feira pelo menos pra retornar à ativa. Fazer um post desse tamanho nunca é fácil, ainda mais quando temos a disposição mais de 100 remixes pré-selecionado que fizeram nossa cabeça esse tempo todo que a seção esteve “fora”. Eles eventualmente aparecerão por aqui, mas abaixo você irá conferir doze dos melhores remixes que ficaram escondidos esse tempo, então recomendo que chequem todos, um por um, e aqueles que não conhecer a original, recomendo que busque em nossos posts para apreciar suas versõea alternativas ainda mais. Bom final de semana a todos e nos vemos semana que vem!

.

Foster The People – Don’t Stop (St. Lucia Remix)

Alguns remixes se preocupam mais em dar uma roupagem mais dançante à canção que já conhecemos, enquanto outros soam como completas versões alternativas às canções originais. Tome por exemplo o novo remix do St. Lucia (nossa provável banda favorita de 2012) para “Don’t Stop”, a canção mais fraca do Foster The People. Adicionando guitarras que remetem aos anos 70 e deixando a produção da original pra trás, o que temos aqui é uma brilhante releitura que supera a original em todos os aspectos, e se você não acredita no que estou dizendo, espere só até ouvir o insano solo de saxofones no final que não restará dúvidas.

Foster The People – Don’t Stop (St. Lucia Remix)

.

Gotye – Somebody That I Used To Know (TheFatRat Remix)

Com um riff de sintetizadores já abrindo a faixa, o TheFatRat deixa claro desde o início que não iremos ouvir uma versão convencional de “Somebody That I Used To Know”, o gigantesco hit do Gotye com a Kimbra. Como os remixes do cara, os versos permanecem um tanto calmos e chegam com batidas electro leves que nos levam de surpresa até o refrão, onde a casa cai de vez. Samples sem direção, uma batida electro explosiva, alguns toques de chiptune e até um violino aparecem pra dar uma nova roupagem ao clássico moderno, resultando em uma versão surpreendente até pra quem já está escutando essa aqui desde o primeiro dia que foi lançada.

Gotye – Somebody That I Used To Know (TheFatRat Remix)

.

St. Lucia – We Got It Wrong (Xaphoon Jones Remix)

Se o St. Lucia é nossa banda favorita de 2012 até então, nada mais óbvio do que “We Got It Wrong” ser nossa canção favorita do ano até então. A original é uma selva de sons que remete a um Animal Collective mais pop, e aqui, Xaphoon Jones do Chiddy Bang adiciona uma visão completamente diferente, com uma produção mais limpa mas não menos maximal, graças a palminhas, uma percussão simples e trompetes. O remix respeita a estrutura inusitada da original e em seu caminho ainda há surpresas como riffs de sintetizadores, drops e um breakdown maníaco (e completamente dançante) que mais parece um ritual de dança da chuva. Doido.

St. Lucia – We Got It Wrong (Xaphoon Jones Remix)

.

Yuna – Live Your Life (It’s The DJ Kue Remix)

Yuna é uma das novas garotas do pop que estamos obcecados atualmente, e seu último single, “Live Your Life”, foi produzido por ninguém menos que o Pharrell dos Neptunes. Enquanto a versão original era um R&B contemporâneo repleto de batidas selvagens, aqui o ótimo DJ Kue aplica sua mágica e coloca todos pra dançaram sem esforço, em um remix violento e sem piedade que nos fez lembrar dos melhores trabalhos do R3hab, naquele melhor estilo progressivo que culmina em um fantástico breakdown de sintetizadores logo após o primeiro refrão, injentando nova vida à música.

Yuna – Live Your Life (It’s The DJ Kue Remix)

.

Jessie Ware – Running (Disclosure Remix)

Falando em “novas garotas do pop em que estamos obcecados”, não podíamos deixar de fora a elegante Jessie Ware e seu sofisticado single “Running”, apresentado ontem mesmo aqui no blog. A original é uma sutil peça de R&B-noir, e aqui, o Disclosure nos surpreende com um remix ligeiramente dançante e um tanto doentio – no bom sentido. Você vai se sentir em Ibiza até exatamente a casa dos 1:16, que é quando o remix ganha um semi-drop e nos pega desprevinido, mudando seu ritmo completamente e colocando na hora quem estava parado pra dançar. Nunca imaginaríamos uma versão da música assim, e é por fugir do óbvio que esse remix merece ser ouvido.

Jessie Ware – Running (Disclosure Remix)

.

Cassie – King Of Hearts (R3hab Remix)

É inacreditável como todas as cantoras pop do ano passado pediram para o R3hab retrabalhar seus novos singles, e apesar da quantidade absurda de remixes que isso gerou, o cara manteve a qualidade (lá em cima) em praticamente todos eles. Se tivesse que escolher um favorito eu ficaria na dúvida, mas certamente o remix que fez pra “King Of Hearts”, da Cassie, estaria na competição. As coisas começar do jeito R3hab de ser, dançantes, mas calmas em comparação ao que está por vir, e isso fica claro logo após o primeiro refrão onde o rapaz mostra a o que veio. Mas surpreendentemente, na segunda estrofe, R3hab nos traz um maravilho riff de sintetizadores que simplesmentente combina com a música e faz desse o remix mais “bonito” do cara.

Cassie – King Of Hearts (R3hab Remix)

.

Miike Snow – Paddling Out (Jacques Lu Cont Remix)

Deixe pro mestre Stuart Price, que aqui aparece sob o nome de Jacques Lu Cont, que se você quiser ter um remix insano de sua música você terá. “Paddling Out”, o novo single do Miike Snow, ganha o melhor tratamento possível em suas mãos, com um começo calmo mas que logo trata de evoluir para batidas electro e aquela típica extravagância de sintetizadores que o produtor é capaz. O remix é progressivo e mescla algumas partes belíssimas com outras extramamente dançantes, abusando de pianos, samples robóticos e drops para nos trazer uma versão mais bonita e um tanto mais emocionante que a original.

Miike Snow – Paddling Out (Jacques Lu Cont Remix)

.

Niki & The Dove – DJ Ease My Mind (Seamus Haji Remix)

Imagine se o Avicii resolvesse remixar o Niki & The Dove… Então, é quase isso o que temos aqui. O remix do Seamis Haji para “DJ Ease My Mind” começa relativamente simples, com batidas electro e um clima muito mais dançante que a original, mas é quando o refrão entrar que verão a verdadeira graça desse aqui. Um riff de pianos tipicamente Avicii nos aguarda logo em seguida, que com a ajuda de novos vocais masculinos e um drop estratosférico na casa dos 5:40 mantém a energia e o astral nas alturas, do primeiro ao sétimo minuto.

Niki & The Dove – DJ Ease My Mind (Seamus Haji Remix)

.

Beyoncé – End Of Time (The Statue of David Remix)

Beyoncé está com uma penca de remixes pro seu último single, “End Of Time”, graças a uma competição que organizou pra premiar a melhor versão alternativa da música. A competição está acirrada e novos remixes chegam a cada dia, mas essa semana foram os nova-iorquinos do The Statue of David que conquistaram a blogosfera com um remix que foi parar instantâneamente no topo do Hype Machine. Com uma bateria anos 90 e um começo inusitado que transforma os vocais de Beyoncé em uma espécie de canto indiano doido, o remix não demora pra pular pra diferentes e interessantes sons que misturam sintetizadores com uma batida retrô esparsa. Um apito anuncia a chegada de um breakdown na metade da música, e a partir daí a canção toma um rumo mais sombrio e diferente de sua primeira metade, mas no final só acaba deixando as coisas mais interessantes.

Beyoncé – End Of Time (The Statue of David Remix)

.

The Drums – Days (Mates Of State Remix)

Outra coisa legal nos remixes é quando os próprios produtores adicionam novos vocais às versões originais, e além de servir como uma versão alternativa da música, é exatamente isso que o Mates Of State fizeram com o pop tristonho do The Drums nesse remix para “Days”. A versão deixa a solidão pra trás a favor de um climinha mais dançante e até tropical, com os vocais da banda se entrelaçando com novas linhas de sintetizadores e os marcantes vocais de Jonathan Pierce, culminando em mais uma daquelas versões alternativas que nos cativaram e nos fizeram dar mais valor que a original.

The Drums – Days (Mates Of State Remix)

.

Lana Del Rey – Born To Die (Mattanoll Remix)

Vai lá, odeie Lana Del Rey o quanto quiser, mas por favor, ouça essa versão de “Born To Die”. A produção da orginal é jogada no lixo e o Mattanoll começa o trabalho do zero aqui, adicionando uma nova bateria e sintetizadores que remetem ao french-disco na hora, deixando a música com uma cara mais ensolarada, descompromissada e extremamente feliz pra uma canção com um título desses. Mattanoll ainda não pára de nos surpreender até o último segundo, incluindo no caminho um solo de trompetes, riffs de pianos e novos sintetizadores que deixam a peça ainda mais adorável. Esse é um dos remixes que deve fazer quem não gostou do single mudar de ideia, então recomendo fortemente que o ouçam.

Lana Del Rey – Born To Die (Mattanoll Remix)

.

Sam Sparro – Happiness (The Magician Remix)

Desde a primeira vez que ouvimos “Happiness”, o novo single do Sam Sparro, já imaginávamos uma versão do The Magician, só não imaginaríamos como soaria, visto que a original por si só já parecia como uma produção do cara. Surpreendentemente, é com menos pianos anos 70 e mais sintetizadores modernos que começa a releitura do mágico, que abusa de xilofones e batidas electro pra criar um clima mais dançante. O remix, entretanto, ganha uma reviravolta em sua metade, onde um órgão fúnebre entra em ação para dar espaço para uma versão ligeiramente alterada do refrão, culminando no que possivelmente é o remix mais macabro (e bizarro) do The Magician.

Sam Sparro – Happiness (The Magician Remix)

.

.

[PACOTE COMPLETO] ♫ Friday Mixes #36 (D/L: Botão direito, Salvar como…)


Fatal error: Uncaught Exception: 12: REST API is deprecated for versions v2.1 and higher (12) thrown in /home/volia174/public_html/ohmyrock.net/wp-content/plugins/seo-facebook-comments/facebook/base_facebook.php on line 1273