Archives For April 2012

Finalmente! Depois de nos deixar salivando em Julho do ano passado com o magnífico synth-pop “Ode To The Bouncer”, o ainda misterioso projeto-cartoon Studio Killers está de volta com mais um single dilacerante. Formado pelos membros Cherry, uma party-girl andrógina; Goldie Foxx, uma raposa que toca keytar; e Dyna Mink, o DJ castor e produtor oficial do grupo, o coletivo sueco, que reúne músicos, produtores e animadores famosos (mas que permanecem anônimos), já conta com um contrato com a Universal Records, sendo “Eros & Apollo” seu primeiro single oficial do disco.

Se o trio mostrou em “Ode To The Bouncer” todas as etapas de como fazer um pop dançante de qualidade, então “Eros & Apollo” mostra seu amadurecimento numa espécie de continuação do single anterior. A canção já começa com grandes pianos à-la Coldplay mas com uma batida pulsante que mais parece um remix da banda, com os vocais andróginos de Cherry passeando entre sintetizadores, assovios e um incrível refrão, tão melódico e belo quanto o anterior. O vídeo vai te fazer sentir como se estivesse jogando um daqueles jogos de corrida dos anos 80, mas o jogo de cores e efeitos garantem a psicodelia e animação que parece ser marca do grupo.

Studio Killers – Eros & Apollo

Os Studio Killers ainda não tem plano de lançamento do álbum, mas como o contrato já está assinado, não acho que vai demorar muito até termos mais informações.

Prepare-se: o Bloom, do Beach House, será uma das principais obras primas de 2012. O trabalho, que vazou esse mês mas que será oficialmente lançado no dia 15 de Maio, contém dez músicas que, devido à qualidade e sensibilidade impecável de cada uma delas, torna o processo de divulgação de suas faixas um árduo trabalho de escolha. Para quem achou que depois do magnun opus que foi o Teen Dream o Beach House perderiA sua essência, se enganou redondamente. Bloom é lindo do começo ao fim, é harmônico e tem personalidade. A recomendação principal é que ouça o álbum inteiro. “Myth” foi o primeiro single, e representa magistralmente a coesão do álbum. “Lazuli”, portanto, continua a sequência de singles de forma impecável, e é a segunda faixa escolhida, acompanhada em seu single pelo b-side “Equal Mind”, que ficou de fora do disco.

Um pouco menos explosiva que “Myth”, “Lazuli” é carregada de sentimento e nostalgia. A voz de Victoria Legrand está mais marcante do que nunca e lembra em alguns momentos os tons grave da Nico, com os Velvet Underground. A introdução à lá 8-bit mostra que artistas completos conseguem inserir todo tipo de referência em sua música, sem perder seu extrato. Os elementos são diluídos e reconstruídos sobre uma base bastante sólida, desta forma, não tirando a essência deles. A melodia cativa facilmente, e o Beach House consegue soar como aquela banda que lá no fundo todo mundo acha que já ouviu em algum lugar. É como se fosse um eco do nosso interior, essa coisa carnal que desperta nossas emoções. O b-side, “Equal Minds”, não fica pra trás e chega mais acelerado e com belas harmonias vocais, completando o belo conjunto.

Beach House – Lazuli

Beach House – Equal Mind

Bloom, o impecável terceiro disco do Beach House, será lançado no dia 15 de Maio pelo selo Sub-Pop, e certamente será um dos mais aclamados do ano – merecidamente.

Foster The People e Azealia Banks se juntam em um remix da Lana Del Rey, é sério isso? Demorou um pouco pra cair a ficha, mas sim, a parada é séria. Começando o final de semana com grande estilo, o Smims&Belle (o novo projeto do Mark Foster e Isom Innis, do Foster the People) acabou de divulgar um remix de “Blue Jeans” de Lana que conta com vocais exclusivos da Azealia Banks. O que isso significa? Bem, que não é um mashup, Azealia contribui com rimas inéditas aqui, que estão tão explosivas quanto em seus próprios trabalhos. A produção do Smims&Belle é de tirar o fôlego, e se assemelha a de “Bambi”, da Azealia (uma “212” mais eletrônica), repleta de mudanças de ritmos e surpresas a cada instante. Independente da grife que o acompanha, o remix chega como um dos mais dançantes e surpreendentes do ano, e só nos deixa salivando por uma parceria “real” entre as duas queridinhas de 2012.

Lana Del Rey – Blue Jeans (Feat. Azealia Banks) (Smims&Belle Remix)

Vamos começar o aquecimento para o Sónar? O festival idealizado inicialmente em Barcelona na Espanha começou a migrar para outros continentes, e veio desembarcar aqui mesmo no Brasil. Com a fama e status de festival mais tecnológico e visionário de todos os tempos, o Sónar é o que há de mais avançado no mundo da música e das artes visuais. Com sua primeira edição mês que vem no Brasil, artistas renomados e artistas novatos vão fazer São Paulo reverberar e ecoar para o resto do mundo com música eletrônica moderna.

Squarepusher é uma das principais atrações, ao lado dos ultra-moderninhos Modeselektor, James Blake, Jeff Mills e Justice (falando raso!). O som etéreo e sinestésico dos caras é tão detalhado que até o mais atento dos mortais vai perder vários elementos dessa viagem sonora. São tantas camadas, efeitos, texturas e domínio do equipamento, que ouvir Squarepusher é quase um teste de audição para quem quer aprimorar o tal “ouvido absoluto”. O drum’n’bass e acid, ganham nova roupagem e fazem um passeio leve no IDM, industrial, jazz, e até mesmo no gênero que está em voga, o dubstep. A banda é quase que um filhote do Kraftwerk, e faz jus ao título.

“Dark Steering” ganhou vídeo essa semana, e conta com um espetáculo de luzes que é um caso a parte. A máscara nos remete aos Daft Punk, mas o Squarepusher vai mais longe. Esmiuça cada segundo da música preenchendo cada vazio de silêncio com sua psicodelia meio ambient meio drone. Skrillex é um menininho imaturo perto do Squarepusher, visto que esse utiliza tão bem e tantas ferramentas diferentes, que têm-se a impressão que você foi jogado dentro de uma fábrica de máquinas e robôs e viaja pelo futuro alguns anos luz à frente do que temos hoje na música eletrônica. O clipe é um espetáculo hipnotizante de luzes e efeitos em perfeita sincronia com a melodia progressiva da faixa, com novos efeitos entrando em cena a medida que novos sons vão surgindo. Ao final dos seus seis minutos, a avalanche de sons que terá passado por sua cabeça será tanta que um replay será inevitável.

 Squarepusher – Dark Steering

O single “Dark Steering” foi retirado do disco Ufabulum, que sai no dia 14 de Maio.

Ok, confesso que nós falhamos. Mas estamos aqui pra nos redimir. A internet gira tão rápido, que num piscar de olhos deixamos escapar alguma coisa genial. Há alguns dias, foi lançado oficialmente Boys & Girls, o tão aguardado álbum debut dos Alabama Shakes. O quarteto mais explosivo que já surgiu na música nos últimos meses é capaz de nos transportar lá pra década de 70 com facilidade. Assim como os Black Keys fazem digestão dos artistas da época e nos transmitem suas releituras, o Alabama Shakes vai a fundo e busca nas mesmas instantes, inspiração para tentar renovar o rock do ano que promete ser o fim do mundo. Não se engane, não estamos falando de nenhuma bandinha estereotipada cool do Brooklyn, nem de um artista hipster que vai desaparecer daqui algumas semanas. Os Alabama Shakes são agressivos, e entoam toda sua rebuscagem semântica num emaranhado de referências.

O rock ganha voz por meio de uma mulher. Isso mesmo. Brittany Howard com sua voz grave e rouca, traz amiúde Janis Joplin para o primeiro plano. Aqui o blues rock do faroeste encontra o R&B. Jack White encontra AC/DC. Nina Simone encontra o The Black Keys. Todo esse emaranhado de gêneros e estilos é construído numa base sólida de guitarras e baixos marcantes, somado ainda à uma voz poderosa e incomparável. “Hold On”, a faixa que mais marca a carreira da banda até agora, tem um refrão clássico e uma produção limpa, e ganhou um clipe que saiu oficialmente no dia 30 do mês passado, que mostra momentos íntimos da banda em estúdio. Brittany se destaca, justamente por ser uma figura ímpar no universo visual e estético de que falamos. A jovem de 22 anos pouco se importa se está vestida a caráter, o que ela quer mesmo é soltar o vozeirão e mostrar pro mundo que as mulheres é que comandam.

Alabama Shakes – Hold On

O debut do Alabama Shakes, Boys & Girls, foi lançado no dia 6 de Abril pelo selo Rough Trade.

Tudo bem que a desistência da Bjork pode ter deixado muita gente triste, mas não tem como negar que o Sónar São Paulo ainda é um dos festivais mais legais do ano, e a penca de atrações que vai de Justice, James Blake, Totally Enormous Extinct Dinosaurs, Chromeo, Modeselektor e Cee-lo Green só comprovam isso. O festival, que acontece no Parque Anhembi nos dias 11 e 12 de maio, está promovendo uma ação juntamente com a Doritos para premiar, a cada dia (até o dia 02 de Maio), uma pessoa com quatro passaportes, ou seja, quatro ingressos por dia, totalizando oito ingressos por vencedor. E tem mais, dos vencedores de cada dia, um deles será escolhido para viajar para Barcelona com mais três amigos para conferir de perto o Sónar original com TUDO pago. Nada mal, hein?

E pra participar é super fácil. A ação, chamada de Music Mission, tem como objetivo reunir diversos vídeos de gente fazendo ou inventado música com qualquer coisa como instrumento musical, e como eu disse, todo dia um dos vídeos enviados será escolhido como vencedor. Basicamente vale de tudo, menos usar instrumentos reais, e o que conta é a criatividade na hora de fazer a música. Está bem fácil de participar e suas chances de ganhar só depende de você, então se topar o desafio, corre lá no app do Music Mission no Facebook e publique seu vídeo, assim você estará automaticamente participando.

Lembrem-se que o último dia é o dia 02 de Maio, e que não precisa ser nada muito extenso ou complicado – eles estão avaliando principalmente a criatividade das pessoas! E se você estiver com zero ideias, dá uma olhada após o jump que postamos alguns vídeos e até um fluxograma criado para “inspirar” todo mundo. Corre lá e bora se encontrar com a gente no Sónar!

Para mais informações do Sónar, é só colar lá na página do evento. Após o jump, um fluxograma e alguns exemplos que irão te ajudar na criatividade!

Confira aqui vídeos exemplos e um fluxograma de ideias! >>

Está com saudades do Passion Pit e ficou ansioso com o retorno da banda? Então conheça agora o Team Spirit, projeto criado por Ayad Al Adhamy, um dos membros da banda, que começou escrevendo algumas canções com sua guitarra e acabou formando um projeto paralelo. E sim, eu disse guitarras. Esqueça da sonoridade de sua banda de origem, visto que Ayad parece ter deixado o synth-pop com o Passion Pit e pegado algumas influências do power-pop e do surf-rock para o Team Spirit, como visto em seu primeiro single, “Fuck The Beach”.

Remando na maré contrária das outras bandas de surf-rock, “Fuck The Beach” deixa claro em seu título a falta de apego pelas praias, apesar de sua sonoridade não se desviar muito de um Wavves da vida. A canção chega com versos sujos, com uns vocais que lembram um pouco do Timid Tiger, mas acabam dando de cara em um divertidíssimo refrão, que deixa a seriedade de lado e se afoga no pop, trazendo pra festa tamborins, palminhas e até umas harmonias vocais em sua segunda estrofe que vão te fazer lembrar de um Foster The People tocando punk. O vídeo, dirigido pelos suecos Hannes & Johannes, é gritante e vai te deixar com um nó na cabeça.

Team Spirit – Fuck The Beach

Ayad Al Adhamy e seus amigos Roman Tobias Pettigrew e Dave Weingarten formam o Team Spirit, que já conta com um EP de três faixas pronto pra ser ouvido aqui!

(Via INMWT + QAGI)