Archives For October 2012

Em julho deste ano apresentamos por aqui o Foreign Orange, projeto de Neil Dez, de Portland, que tinha acabado de lançar um extenso EP de sete faixas que servia muito mais que um aperitivo para o synth-pop ensolarado que estava preparando. Agora, em outubro, o Foreign Orange decidiu reformular o EP e relançá-lo com nova masterização e com apenas quatro faixas, agora sim um bom número para um EP.

O trabalho de Dez continua tão ensolarado do que nunca com o seu novo single, “No More Rewards”, um chillwave dançante que, assim como o single anterior, “Day by Day Livin’”, carrega em sua melodia algo bem mais escuro que os sintetizadores felizes te fazem acreditar. Falando sobre a infelicidade de quando não se é devidamente valorizado, Dez disfarça durante quatro minutos os problemas da classe média para passear por uma divertida produção repleta de guitarras funky e sintetizadores viajantes, tipicamente chillwave.

Foreign Orange – No More Rewards

O novo EP do Foreign Orange será lançado pelo selo Wall to Wall Records em 2013, mas já pode ser ouvido na íntegra por aqui.

Dando sequência ao lançamento do seu espetacular novo single, “You’re The One”, e da mixtape Heartbreaks And Earthquakes, distribuída gratuitamente em Junho e que recentemente ganhou “So Far Away” de single, a londrina Charli XCX está de volta com seu característico electro-pop gótico em mais um número que antecede um novo trabalho. Apesar do álbum oficial ter sido adiado para 2013, em alguns dias teremos uma nova mixtape de Charli, a Super Ultra Mixtape, cujo primiero single já foi disponibilizado para audição.

Assim como em seus mais recentes singles, “Cloud Aura” mistura hip hop com refrões melódicos cantados com proeza por Charli, que aqui deixa a maior parte dos versos para a novata Brooke Candy, uma rapper excêntrica que apareceu no clipe “Genesis”, da Grimes, e recentemente lançou seu primeiro vídeo, “Das Me”. Sob uma produção sombria que parece misturar samples da Ellie Goulding com recortes do Purity Ring, a canção ganha novos ares, entretanto, no belo refrão cantado por Charli e principalmente em sua segunda metade, comandada pela própria cantora.

Charli XCX – Cloud Aura (Feat. Brooke Candy)

Apesar da nova música não ser exatamente o próximo single (e tampouco o que esperamos ouvir) da Charli XCX, estamos no aguardo da sua Super Ultra Mixtape, que sai no dia 7 de novembro para quem se cadastrar por aqui.

Em Setembro apresentamos por aqui o trio Wildcat! Wildcat!, mais uma banda de Los Angeles que, assim como algumas das melhores novas bandas da cidade, tem tudo para acabar no ouvido de muita gente em 2013, graças ao seu som acessível mas ao mesmo tempo criativo e diferente de tudo que estamos vendo por aí. Misturando elementos eletrônicos como sintetizadores e batidas pré-programadas com elementos orgânicos como pianos e saxofones (como vimos no último single, “The Chief”), a banda continua a trilha do sucesso com seu último lançamento, “Please And Thank You”, que saiu este mês sob o selo francês Kitsuné.

Um pouco menos acelerada que o single anterior mas não menos bela, “Please And Thank You” começa de forma quase acústica com os vocais serenos da banda permeando a calma introdução que pede, mesmo assim, para que coloque as mãos para o alto. A canção não demora até cair nos típicos falsetes à-la MGMT e nas típicas harmonias vocais reminescentes do Bee Gees que permeiam suas outras músicas, mas assim como elas, a produção guarda sérias reviravoltas durante seus mágicos cinco minutos, repletos de xilofones, sintetizadores sombrios e um arrepiante gran-finale, que vai te fazer apertar o play em sequência só para poder ouví-lo novamente.

Wildcat! Wildcat! – Please And Thank You

A canção foi lançada como parte da 14ª compilação da Kitsuné Maison, mas um álbum dos californianos é esperado para 2013. Atualmente, a banda está em turnê com os nossos favoritos do Alt-J.

É no mar das novas cantoras pop que encontramos a Phebe Starr, mais uma pérola a sair da Austrália, que já tem um disco nas costas, já viajou a Europa inteira para divulgá-lo e volta agora em 2012 com um novo single, que certamente irá fazê-la atingir novos ouvintes e quebrar novas fronteiras.

Se você gosta da delicadeza da Sia mas prefere uma produção mais encorpada como a da Lykke Li e mais eletrônica como a da Foxes, talvez a Phebe Starr tenha então seu single pop favorito de 2012 com “Alone With You”, uma balada luxuosa que pontua com maestria os elementos de sua produção afim de criar um número impactante e surpreendente do início ao fim. Com um começo acústico, os vocais de Phebe são acompanhados por um órgão fúnebre e uma bateria dramática, que acentua cada palavra do emotivo refrão. O sintetizadores, entretanto, entram de surpresa na casa dos dois minutos para quebrar o clima soturno da faixa e dar a ela um novo fôlego, se tornando também um dos elementos mais memoráveis da produção.

Phebe Starr – Alone With You

O multi-instrumentalista Thomas Azier, de 24 anos, nos encantou este ano com seu primeiro EP, o Hylas 001, liderado pelo ótimo single “Metropolian Tribe” e repleto de canções synth-pop bem trabalhadas e capazes de conquistar qualquer um com o mínimo de interesse pelo gênero. Agora, o músico de Berlim acaba de lançar a segunda parte de sua trilogia, o EP Hylas 002, que serve de aperitivo para o seu primeiro disco completo, ainda sem título, que finaliza como sendo a terceira parte do projeto, a sair em 2013.

“Fire Arrow”, o primeiro single do novo EP, é um synth-pop industrial de grandes proporções que demonstra um som mais crescido, e até mais pretensioso, que as faixas do último disco. A canção começa com sintetizadores sci-fi que ditam o tom para o restante da música, que logo cai no campo mais melódico e acessível graças à entrada dos vocais de Azier, que nos versos parecem ser cantados em coro. Produzido pelo próprio artista, “Fire Arrow” é um número hipnótico e poderoso, que se espalha por quase seis minutos mas te conquista logo nos três primeiros.

Thomas Azier – Fire Arrow

O novo EP de Thomas, Hylas 002, foi lançado no último dia 23 e pode ser ouvido na íntegra por aqui.

Quem ficou aflito com o fim repentino da excelente Girls, que teve o nosso disco favorito de 2011, pode ficar mais tranquilo agora que, como já era de se esperar, a banda está “quase” de volta graças ao Lysandre, disco solo do Christopher Owens, que está com lançamento programado para Janeiro. De acordo com Owens, o “projeto em que mais se esforçou” conta a história de uma garota de mesmo nome, a tal Lysandre, que o rapaz conheceu durante a turnê do Girls na França. Entretanto, o álbum acaba se transformando em um relato confessional que narra o começo do sucesso da banda e as confusões que passavam em sua cabeça naquele período.

Como visto na primeira amostra do disco, nas faixas “Lysandre’s Theme” e “Here We Go” (que se mesclam sem você perceber), a composição é ligeiramente mais íntima, e a produção, que mais uma vez fica a cargo de Doug Boehm (que trabalhou no excelente Father, Son, Holy Ghost), perde o teor lo-fi que o segundo membro da banda adicionava. Com flautas e violões marcando a introdução, “Lysandre’s Theme”, o que se vê em “Here We Go” é uma sequência dos mais grandiosos números do Girls, um rock progressivo cuja produção amplifica os vocais serenos de Owens através de gaitas, flautas, guitarras e vocais de apoio, que o sustentam quando necessário.

Christopher Owens – Lysandre’s Theme / Here We Go

O novo álbum do Christopher Owens, Lysandre, sai no dia 14 de Janeiro de 2013 pelo selo Fat Possum.

Depois de um inquietante EP em 2011 que rendeu um clipe para “Ain’t It So” e colocou o PAPA como uma das minhas prioridades para 2012, a banda californiana, composta pelos amigos Daniel Presante e Darren Weiss (multi-instrumentalista e ex-baterista do Girls), só foi lançar na última semana a primeira amostra do aguardado álbum de estreia da dupla, previsto para 2013. Apesar da longa espera, o novo single, “Put Me To Work”, mostra que os rapazes não perderam o jeito e voltaram mais vigorosos do que nunca, indicando um álbum que deve seguir o estilo do excelente EP de 2011.

Apesar da curta duração de pouco mais que 2:30, “Put Me To Work” é um nocaute instantâneo, que tem Weiss anunciando aos gritos seu início à-la Arcade Fire, com bateria acelerada e órgão de igreja guiando seus vocais desesperadores. Apesar da produção calculada e repleta de elementos, a canção ainda retém um toque cru do EP, mas sem deixar de surpreender a medida que cresce e fica cada vez mais intensa, enquanto Weiss repete o refrão, que aparece apenas no final.

PAPA – Put Me To Work

“Put Me To Work” é o primeiro single do álbum de estreia do PAPA, ainda sem nome e previsto para 2013.