Arquivos para Hip Hop

Joel-compass-950x634-620x413

Amantes do R&B contemporâneo precisam conhecer o Joel Compass, londrino de 19 anos que, além de cantor e compositor, também produz as próprias canções e já planeja trabalhar com músicos mais experientes assim que possível. É impossível não lembrar da melancolia de The Weeknd, dos sentimentos distorcidos de Frank Ocean e das batidas fortes de Drake, principalmente em “Fucked Up”, do EP Astronaut, primeiro trabalho de Joel a ser lançado ainda em julho desse ano pela Black Butter Records.

Com um timbre muito semelhante ao de Akon e belos falsetes juntos à base composta por um baixo poderoso e fortes batidas típicas do gênero, “Fucked Up” começa como uma canção minimalista, remetendo aos tempos do auge do R&B à la Maxwell,  calcada na produção sombria do The Neighbourhood. Ao longo dos quase quatro minutos, entretanto, a canção vai ganhando força junto aos vocais de Joel, que retrata um relacionamento desgastado e doloroso, porém de difícil desapego. Assim como o seu refrão, o vício também toma conta do cantor que, por mais que reconheça estar “ferrado”, como diz o título, não consegue tirar a amada da cabeça.

Joel Compass – Fucked Up

O EP, Astronaut, tem como primeiro single a também incrível “Back To Me” que, por sinal, ganhou um clipe conceitual bem interessante.

artworks-000037329477-evidc0-t500x500

2011 foi o ano que conhecemos Azealia Banks. 2012 foi o ano que comprovamos que a rapper desbocada não era apenas uma sensação momentânea. E 2013 será o ano em que, de acordo com ela, será lançado não apenas um, mas dois álbuns seus. Polêmicas como a impossibilidade do lançamento de “Esta Noche”, uma das suas melhores músicas e integrantes da sua mixtape Fantasea, apontavam para o lançamento de um novo single, fato que já tinha sido confirmado pela cantora mas que só acontece hoje, às vésperas do ano novo.

Na verdade, “BBD” ainda não é o novo single oficial do disco da Azealia Banks, mas uma prévia do que está por vir. E se a cantora estava prometendo brincar como “novos sons” em seu disco de estreia, a música chega aí pra comprovar a promessa. Com uma batida que mistura elementos do witch-house e do trap com a produção dinâmica que sempre aparece nas canções de Banks, “BBD”, um acrônimo para “bad bitches do it”, não traz o mesmo senso de urgência de hits como “212″ e “Esta Noche”, mas a produção de Apple Juice e as rimas sempre rápidas de Azealia garantem o sucesso da canção.

Azealia Banks – BBD

Azealia confirmou em seu Twitter que o primeiro single do seu Broke With Expensive Taste será “Miss Amor”, e que será lançada com um b-side chamado “Miss Camaraderie”.

Não confunda os nomes. Apesar da semelhança entre Azalea e Azealia, tudo é pura coincidência. Ambos lembram a flor azaléia, mas só no nome, visto que aqui há sujeira e espinhos pra todo lado. A primeira tem Azalea como sobrenome, e a segunda Azealia como nome próprio, mas fato é, Iggy Azalea está na competição com Azealia Banks pela coroa de princesa do rap em 2012. Apesar de terem uma carinha fofa e um estilinho cool, elas conseguem ter a boca 10 vezes mais suja que muito rapper por aí. Desculpem o trocadilho, mas Iggy Azalea ainda é uma florzinha no auge dos 22 anos. Nascida na Austrália, terra de onde saem poucos rappers para o mundo, Azalea conseguiu todo o impulso para se lançar direto numa carreira internacional. A artista conseguiu notoriedade por meio da ferramenta mais popular de sucesso dos últimos tempos, o Youtube, onde já lançou os clipes “Pu$$y” e “My World”, que já atingiram uns bons milhões de visualizações.

Com uma mixtape lançada recentemente, o novo single de Azalea é “Murda Bizness”, feita em parceria com o rapper T.I., que tem trabalhos com Rihanna, Christina Aguilera, Jay-Z, Justin Timberlake e outros nomes de peso. O vídeo é uma espécie de sátira à todas as competições de beleza e de princesas que temos por aí. Além de loira, Iggy é branquela, e mesmo assim impõe todo o respeito que uma rapper precisa. Vamos acompanhar o estrago que essas figurinhas vão causar esse ano.

Iggy Azalea – Murda Bizness (Feat. T.I.)

Azalea acabou de lançar seu novo EP, Glory, que pode ser baixado gratuitamente por aqui.

Azealia Banks é coisa do passado. Brincadeirinha, a gente ainda tá ansioso pelo álbum dela. Mas quem vem tomando a cena agora é a rapper Kreayshawn. Apesar de ter lançado em 2010 a mixtape “Kittys x Choppas”, a artista vem ganhando os holofotes agora. Em 2011 ela o vídeo “Gucci Gucci” satirizando marcas/pessoas/empresas famosas como Gucci, Fendi, Prada, Louis Vuitton, Madonna, Google e Twitter numa espécie de tendência anti-materialismo. Mas o clipe foi banido depois de 5 dias e, nesse tempo, já alcançava os 600 mil acessos. O nome real da artista é Natassia Zolot, ela estudou na Escola de Cinema de Berkeley e já dirigiu videos de vários artistas, incluindo Lil B e outros rappers. Natassia já arrancou elogios do Snoop Dogg, já foi nomeada como Best New Artist para o  Video Music Awards da MTV e já apareceu em vários outros blogs e revistas especializadas em música. É com sua boca suja e besteirenta que Kreayshawn está ganhando espaço e já foi comparada por aí com artistas do naipe do Tyler, The Creator (coisa pra ter medo).

“Go Hard” é o mais novo single da malcriada. O refrão pegajoso é assim: “Hey, bitch! Do you really, really wanna go hard?”. As batidas eletrônicas acompanhadas de um “lalala” interminável grudam tanto que nos dão a impressão de que conhecemos a música há um bom tempo. O clipe recém lançado conta uma história através de um visual meio história em quadrinhos, só que psicodélicas e ultracoloridas. Apesar do alvoroço (as exibições já passam de um milhão), a cantora ainda carrega um estigma despretencioso, de quem pouco se importa com a mídia ou com as críticas sobre seu trabalho.

Kreayshawn – Go Hard

Kreayshawn irá lançar seu primeiro álbum, Somethin’ Bout Kreay, no dia 14 de Agosto.

Pessoalmente acho que Azealia Banks funciona sempre a base de um acerto e um erro. Seu primeiro EP, 1991, lançado esse ano, trouxe quatro canções que flertavam com o house dos anos 90, enquanto outras músicas lançadas por fora, como “Jumanji”, “Bambi” e a infame “212″, possuem uma produção mais interessante, que vai se desdobrando aos poucos e virando uma besta completamente diferente a medida que os versos de Azealia vão ficando cada vez mais furiosos. Fato é, as músicas de Azealia Banks são totalmente dependentes de sua produção, e em seu mais novo lançamento, “Nathan”, o badalado produtor Drums of Death não faz nem um pouco feio.

O começo inofensivo, com uma batida abafada servindo de fundo para Azealia espantar as outras pretendentes de um tal de Nathan, a canção logo ganha uma linha ameaçadora de sintetizadores meio trance que vão guiando suas batidas por uma produção mutante que cresce e decresce de forma explosiva durante seus três minutos. É sem dúvidas uma das melhores músicas de Azealia junto com “212″ e, para complementar a excelente produção, ainda conta com um dos refrões mais grudentos da rapper – se era disso que você sentia falta até então.

Azealia Banks – Nathan (Feat. Styles P)

A música aparentemente faz parte da nova mixtape de Azealia, Aquababe, que será lançada semana que vem.

O hip-hop já não é mais o mesmo. Depois do aparecimento de trocentos subgênros, o estilo vem passando por tantas mudanças e inovações que está se tornando quase que irreconhecível. Dot Rotten por exemplo, mistura o hip-hop tradicional com o grime (que é uma denominação especificamente de Londres para o gênero que utiliza batidas aceleradas semelhantes ao breakbeat, com pitadas de dancehall e garage). Difícil entender né? Para facilitar um pouco, tente imaginar um hip-hop meio sinfônico, com batidas eletrônicas e abarrotado de efeitos sonoros. Essa coisa linda carrega consigo o estigma dos subúrbios Londrinos, da vida e do cotidiano desses jovens. Dot Rotten até agora passou meio despercebido pelo crivo da internet, mas é por pouco tempo. O artista está engatilhado para o sucesso.

O artista saiu na lista da BBC para prestar atenção em 2012, junto com Frank Ocean e Azealia Banks, que se encaixam um pouquinho no mesmo gênero, e “Overload”, o mais novo single do artista, é capaz de convencer até quem não ouve hip-hop do potencial do rapaz. A música é nostálgica, cheia de sentimento e traz um sample da antêmica “Children”, do Robert Miles, que fez sucesso nos anos 90. Compõem a produção primorosa pianos, violão acústico, uma bateria eletrônica acelerada, coral de vozes, efeitos eletrônicos e batidas dubstep. O single foi lançado no começo do mês e um álbum é esperado para até o final do ano.

Dot Rotten – Overload (Feat. TMS)

Depois de lançar um vídeo para “National Anthem” em que protagoniza Jackie O e contracena com o A$AP Rocky como JFK, Lana Del Rey está de volta com sua colaboração inédita com o rapaz, “Ridin’”, que seria lançada há um tempo atrás como parte da mixtape dos produtores Kickdrums, mas que foi retirada de última hora pois aparentemente A$AP iria ficar com a faixa para seu debut. Foi basicamente como tirar doce da mão de uma criança mas, para a nossa felicidade, a faixa acaba de cair na rede.

“Ridin’”, que já era conhecida antes mesmo de ser lançada com a música em que o A$AP chama a garota de “minha p*ta”, é ainda mais deliciosa do que seus trechos prometiam. Com uma batida hip hop relaxada, que conta com pianos e uma flauta de fundo, a canção tem surpreendentemente Lana comandando os versos com vocais rápidos à-la “Off To The Races”, deixando o refrão para A$AP brincar sozinho. Se também cai de amores pela lolita e quer vê-la sob uma produção mais suja e urbana, talvez essa seja uma oportunidade única.

A$AP Rocky – Ridin’ (Feat. Lana Del Rey)

A música faz parte do primeiro disco do A$AP, LiveLongA$AP, que sai em Julho.

Página 1 de 3123