f2b57c4aa47cad6a47680ad9ebadf41e2b244186

Você provavelmente tem algum potencial quando chegou aos 18 anos com um contrato assinado, músicas no topo do iTunes e um EP com diversas participações, dentre elas Denai Moore, Nao e Jay Prince. O nome do prodígio em questão é Alex Crossan, ou melhor, Mura Masa, que acaba de lançar um fantástico EP, Someday Somewhere. Difícil escolher um único destaque da obra, porém, é “Firefly”, com participação da Nao, que não sai da nossa cabeça. Com vocais agudos e uma produção dançante e eletrônica, que puxa suavemente para o R&B, fica praticamente não impossível não lembrar do AlunaGeorge no minuto que apertar o play. A produção, repleta de xilofones e graves potentes, passeia entre algo que o Flume ou o Cashmere Cat faria, e se você gostou da amostra, pode ter certeza que o EP reserva surpresas ainda melhores.

artworks-000114407236-52d6wl-t500x500

A página oficial descreve o LostBoyCrow como “o caso amoroso de um vocalista de mente pop com o mundo do R&B moderno”. O post poderia parar por aqui, porque não existe modo melhor de descrever o som vibrante de “Say You Want Me”, primeiro single do projeto. O artista, baseado em Los Angeles, mostra potencial ao fazer uma mistura suave e vibrante, que ao mesmo tempo soa incrivelmente chiclete, e que parece pronta para tocar em qualquer festa. Os sintetizadores certamente dão uma vibe de single perdido do Passion Pit, apesar de ser notável a influência do soul e R&B também. Mas a verdade, entretanto, é que são os falsetes absurdos do LostBoyCrow que roubam a cena, transformando o single numa poderosa amostra, que foge do synth pop convencional sem deixar de lado um forte apelo radiofônico. Dê o play e confirme se o LostBoyCrow não poderia estar nos primeiros lugares dos charts agora mesmo.

1383072_871871916178274_1518521618312687740_n-620x465

Enquanto hoje em dia o indie-rock é conhecido por sua atmosfera descontente, irônica e individual, o Trails & Ways adiciona uma dose ensolarada aos arranjos de guitarra, misturando-os ao dream pop para criar algo despretensioso e leve. O segundo single do primeiro álbum da banda norte americana é uma prova, para quem já conhece, de que os garotos estão engajados a entregar uma sonoridade diferente das últimas canções lançadas. O trabalho em “Say You Will” é uma combinação refrescante que mescla uma base groove dançante, como se tivesse sido produzida pelo Giorgio Moroder, a vocais harmoniosos. A faixa que permeia o instrumental bem alinhado, destaca a guitarra em acentos tropicais. O lírico mostra que a banda ironicamente não deixou de se inspirar nas desilusões amorosas, evidenciando como tema principal o amor a primeira vista. A nova direção do Trails & Ways – que já inclusive flertou com o lado clássico da bossa nova – é muito bem vinda e poderá ser conferida em Pathology seu álbum de estréia programado para dia 2 de junho.

anne-marie

Se você conseguiu pegar um dos shows do Rudimental aqui pelo Brasil, com certeza deve ter notado a presença de Anne-Marie no palco, vocalista de apoio da banda. Hoje, entretanto, a cantora deu um passo a frente e liberou seu single de estreia, “Karate”, canção título do seu primeiro EP, a ser lançado em breve. Com vocais sussurrados, sob uma batida desacelerada que mais parece “Born To Die” produzida pelo Timbaland, a canção se constrói de forma sedutora até desabrochar no refrão, só pra te nocautear, entretanto, nos últimos versos. Pode chamar de novata, mas “Karate” tem cara de faixa-preta.

A sueca Elliphant certamente não é a mesma que lançou a experimental “In The Jungle”, de três anos atrás. Após trabalhar com grandes nomes como o Diplo e seu Major Lazer, “Love Me Barder” é nova aposta da cantora, que vem planejando um novo disco para 2015 junto do selo Kemosabe Records (do produtor Dr Luke). Com uma pegada bem mais pop e uma pitada daquela sua essência jamaicana, a canção parece ser finalmente o hit que a cantora procura. Já no vídeo, vemos Ellinor andando de carro por ruas escuras, enquanto flashbacks vão revelando um relacionamento conturbado e que o passeio é, na verdade, um sequestro. O final não é nada prevísivel, diríamos até bastante sinistro. Vale a pena conferir.

Ryn-Weaver-The-Fool

Uma das maiores descobertas dos últimos meses é sem dúvida Ryn Weaver. Após seu primeiro EP, ela se prepara para lançar o disco de estreia e resolveu nos presentear com o vídeo para a faixa-título. A balada pop “The Fool” foi produzida por Benny Blanco (metade do BenZel e responsável por alguns trabalhos com Jessie Ware) e por Michael Angelakos do Passion Pit. A mistura dos três gera uma faixa adorável, de refrão intenso e final arrebatador. Já o teatral vídeo foi inspirado nas animações japonesas do Studio Ghibli e viaja entre o psicodélico e o surrealista ao mostrar a dinâmica dentro de um relacionamento. É sem dúvidas um excelente trabalho visual e que deixa os fãs ainda mais ansiosos pelo que está por vir.

Years-Years-Shine-2015-1200x1200

O trabalho foi árduo, mas o Years & Years ocupa um lugar de destaque que outros artistas iniciantes podem apenas sonhar. Vencedores da edição 2015 do prêmio da BBC que visa destacar novos talentos, os britânicos já possuem um punhado de singles bem-sucedidos nas mãos, número este que só deve aumentar com o lançamento do Communion, disco de estreia da banda, e seu mais novo single, “Shine”. Seguindo a base do último (e maior) single da banda, “King”, a canção começa de forma calma com os vocais inconfundíveis de Olly Alexander, que já viraram a principal marca registrada do grupo até então. Não demorar muito, entretanto, para sintetizadores harmônicos e uma batida pulsante logo darem as caras num refrão maior-que-a-vida, culminando numa produção que só veio pra abrilhantar ainda mais o fantástico – e sucinto – repertório da banda.