E a velha história do hype continua. Quando postamos sobre a Azealia Banks pela primeira vez e sua incrível (e talvez maior party-starter do ano) “212″, mais da metade dos sites especializados se mantiveram calados sobre o que viria a ser não muito tempo depois o maior novo-fenômeno musical do ano depois da graciosa Lana Del Rey. Com rimas sujas, um batidão que mistura moombathon com techno e uma personalidade única, Azealia entretanto logo caiu nas graças do “povo” ao anunciar que estava trabalhando com nomes como Diplo e Paul Epworth, ao ser eleita pela NME como a pessoa “mais legal de 2011″, e é claro, ao receber uma indicação ao prêmio da BBC que prestigia os novos talentos da música.

Esse final de semana, entratanto, Azealia liberou mais uma prévia do que anda fazendo nos estúdios sob o nome de “Liquorice”, que apesar de não bater a indestrutível “212″, se revela mais uma agitada produção com a maioria dos ingredientes da canção anterior. Batidas leves com raps furiosos dão início à música, que logo chega em seu refrão com uma batida house crescente e tem Azealia deixando as rimas de lado a favor de um vocal R&B no melhor estilo Mariah Carey. Basicamente, se tem alguém que consegue mudar os vocais do demoníaco para o angelical – tirando a Nicki Minaj – essa pessoa é Azealia Banks, e se você ainda não conhece suas produções malucas e (principalmente) sua boca suja, melhor não perder mais tempo.

Azealia Banks – Liquorice

Depois de entrar de vez para o selo 679 (Marina & The Diamonds, Little Boots e Spark), distribuir gratuitamente seus dois primeiros singles (“Run This Town” e “Kicking & Screaming”) e lançar por fim uma das melhores músicas pop do ano (“Dirty Dancer”), as meninas do Oh My! resolveram finalizar o ano distribuindo gratuitamente mais uma peça que compõe seu curto repertório. Dessa vez não se trata de um single, entretanto, mas sim de um cover para “Higher”, das The Saturdays. A canção, produzida por MNEK (falaremos dele em breve!), traz uma produção completamente renovada, atual e muito mais pop que as outras músicas do duo. Embalada principalmente pelo refrão açucarado da original, as garotas adicionam seu carisma e transformaram a música  em mais um pop bem construído que, pelo seu preço (um “like” no Facebook), vale muito a pena o download.

Oh My! – Higher

A canção pode ser baixada acima, mas se quiserem fazer do “jeito certo”, basta passar na página das meninas e dar um “curtir” por lá, afinal de contas, é o mínimo que elas merecem.

Coincidência ou não, falamos hoje aqui no blog sobre o Sleigh Bells, e o quão desconfortável seu som soou pela primeira vez que o ouvimos. São guitarras estridentes, sintetizadores lo-fi e um vocal gritado, que a princípio fez muitos virarem as caras, mas que logo cederam à banda e os coroaram como uma das melhores estréias do ano, graças ao seu ótimo primeiro disco, Treats, e é claro, à energia contagiante de sua frontwoman, a ex-professora (que devia ser bem nervosa em classe) Alexis Krauss.

E se a sonoridade abrasiva da banda te agrada, “Born To Lose”, o novo deles, terá o mesmo efeito que as outras 11 canções do duo. A música que precede o lançamento do segundo disco do grupo, Reign Of Terror, começa com guitarras distorcidas e até meio grunges, mas a promessa de “algo novo” logo se dilui ao meio das batidas pesadas e dos sintetizadores lo-fi que marcaram o primeiro trabalho do grupo. E isso não é nada mal. Com um refrão pessimista mas adorável, Alexis canta melodicamente (como em “Rill Rill”) em primeiro plano e grita nos fundos (como em “Kids”) o título da faixa, tudo isso enquanto guitarras estridentes e synths poluídos invadem seu ritmo, só para culminar em um final brilhante onde os intrumentos e um belo solo de guitarra tomam o spotlight e brilham ainda mais que Alexis. Se era bagunça que você queria, é isso o que o Sleigh Bells prometem trazer de volta em 2012.

Sleigh Bells – Born To Lose

“Born To Lose” é o primeiro single do segundo disco da banda, o Reign of Terror, que chega no dia 14 de Fevereiro pelo selo Mom+Pop Records.

Se com o primeiro disco (apesar de incrível) o Fun. recebou pouca atenção, foi só lançar um single com a Janelle Monaé (“We Are Young”) que de repente a banda apareceu no radar de muito gente. Culpe também o novo selo dos caras, o Fueled By Ramen, do Fallout Boy Patrick Slump, que colocou o single pra ser cantado até em Glee. A música fará parte do disco Some Nights, lançado pelo selo no dia 21 de Fevereiro, e que acaba de ganhar mais um single extraído dele, a esquisita “One Foot”.

A canção soa basicamente como se os Sleigh Bells resolvessem trocar as guitarras por instrumentos de sopro, visto que a canção nos traz um repetitivo sample de trompas que provoca uma reação semelhante ao ouvir as músicas da banda americana pela primeira vez. Adicione à bagunça ainda uma bateria militar e até um toque de conga misturado alí no meio, que unidos, apesar de causar a estranheza inicial, basta alguns minutos para “fazer sentido” e se revelar como mais uma peça de pop baroque tal como a anterior, mas com uma produção agitada, detalhada e cheia de texturas – apesar de um tanto repetitiva.

Fun. – One Foot

O disco Some Nights sai dia 21 de Fevereiro pelo selo  Feb. 21st via Fueled By Ramen.

E já temos um primeiro grande álbum para esperarmos em 2012. Apesar de não conhecer seus trabalhos anteriores, a Sharon Van Etten irá chegar com seu terceiro disco, Tramp, no dia 7 de Fevereiro, que contará com a ajuda de nomes fortes como os irmãos Desner do The National, Zach Condon do Beirut, além de Matt Barrick e Jenn Wasner, respectivos vocalistas do The Walkmen e do Wye Oak. E a ajuda de peso já pode ser sentida em seu maravilhoso novo single, “Serpents”.

Sinceramente não sei se a cantora fazia composições tão densas antes, mas fato é que “Serpents” é exatamente isso. Explosiva, emocionante e impactante, a canção soa como um grande e ininterrúpto refrão de três minutos, que começa de forma acústica mas logo vai ganhando guitarras sombrias com um quê de stoner-rock e uma bateria agitada que servem de fundo para o desabafo de uma pessoa desiludida. Apesar da produção ser um fruto claro do trabalho de muitas mãos, ela ainda não consegue diminuir o impacto e a presença da própria Van Etten, que com seus vocais emocionados elevam uma música que poderia morrer no próprio hype a um marcante e intenso número de rock, que certamente ainda será lembrado em 2012.

Sharon Van Etten – Serpents

O terceiro disco de Sharon, Tramp, será lançado no dia 7 de Fevereiro.

Mesmo antes de sair o Zonoscope, o baixista do Cut Copy, Ben Browning, já estava com algumas músicas escritas e devidamente encaminhadas para seu primeiro lançamento solo, até que sua produção teve que ser interrempida graças ao lançamento do novo disco, que saiu esse ano. Com ele fora da rota, é hora de Ben voltar a trabalhar em seu material próprio, e aviso, se você for fã de sua banda original, vai gostar e muito do que está prestes a ouvir.

O primeiro gostinho da sua nova empreitada acaba de ser lançado e vai pelo nome de “I Can’t Stay”, e soa exatamente como se o Cut Copy resolvesse pegar um avião direto pro Havaí só pra gravar sua perfeita canção de verão. As semelhanças, na verdade, não foram coincidência, visto que, além de Ben, a música contou com produção e backing vocals do próprio Dan Whitford (vocalista do Cut Copy), que forneceu inclusive aquelas harmonias vocais que marcam a maioria dos singles da bandas. Mas como disse, apesar de familiar o clima aqui é bem mais tropical, graças à uma guitarrinha à-la calypso que abre a faixa e uma infinidade de sintetizadores vintages e teclados felizes, que casam com a produção space-disco proposta aqui. E ainda tem os vocais de Ben, que também parecem ter tirado lição de sua banda original, que suaves e delicados conduzem a música com maestria e marcam seu delicioso refrão, que é certeza de agradar todos os fãs de um bom synth-pop.

Ben Browning – I Can’t Stay

A canção é o primeiro single do futuro EP de Ben, a ser lançado em 2012 pelo selo Cutters Records.

Como prometido, voltamos em uma semana repleta de novidades, e para fechar com chave de ouro, nada melhor do que mais um Friday Mixes repleto das suas novidades favoritas do momento remixadas por grandes produtores. Os destaques dessa edição ficam com a esquisita porém brilhante versão de “Dirty Dancer” da Oh My! pelo Alvin Risk; o remix explosivo do Skrillex para a maior canção eletrônica do ano e por fim, o house-progressivo de arrepiar que o Dimitri Vegas & Like Mike fizeram pra Lady Gaga – tudo logo abaixo. Bom final de semana a todos e até a próxima!

OBS.: No Friday Mixes passado tive alguns problemas e por isso tive que retirar mais da metade dos links para download. Se isso acontecer de novo, fica a dica: baixe o “pacote completo” no final do post, que como os gringos não entendem (rs), não pedem pra retirar.

.

Oh My! – Dirty Dancer (Alvin Risk Remix)

Se tivesse que descrever esse remix do Alvin Risk em uma palavra ela seria “doido” (ou bonkers se eu fosse britânico!). Aqui ele pega a ótima “Dirty Dancer”, das Oh My!, e aproveita dela apenas os vocais, aplicando sintetizadores pops e um tom mais acelerado e até mais engraçado (vocês vão entender quando ouvirem os “beeps” da música), graças a uma produção mais diversificada e cheia de surpresas, scratches e detalhes minuciosos que deixam a original com uma certa inveja. É apertar o play pra sentir todo o tom esquizofrênico (e acima de tudo pop) desse incrível remix.

Oh My! – Dirty Dancer (Alvin Risk Remix)

.

Avicii – Levels (Skrillex Remix)

Desde que vi esse vídeo do Skrillex mandando um remix do Avicii eu mudei minha opinião completamente do rapaz. Primeiro porque o show dele ao vivo parece ser a coisa mais insana feita por um DJ esse ano (mais uma vez, vocês viram esse vídeo?), e segundo porque o remix já soava monstruoso mesmo filmado de uma câmera ao vivo. E bem, com ele em alta qualidade nossas expectativas só foram confirmadas. Goste ou não de dubstep, o Skrillex fez a melhor versão alternativa para o maior hit house do ano, com os vocais aparecendo logo de começo e as batidas começando um pouco calma, até serem aceleradas a todo o vapor e culminarem em um drop tipicamente Skrillex, onde o menino se sente em casa e brinca com batidas dubstep insanas capaz de ensurdecer qualquer um. Considere-nos fãs depois dessa.

Avicii – Levels (Skrillex Remix)

.

Lady Gaga – Marry The Night (Dimitri Vegas & Like Mike Remix)

Como todo bom single da Gaga que se preze, os pacotes de remixes vêm acompanhando logo após o lançamento do clipe. Para “Marry The Night” a coisa não foi diferente. Apesar de ter contratado grandes nomes como Afrojack, R3hab e Totally Enormous Extincts Dinosaurs, quem ganha a taça de melhor remix foram os meninos Dimitri Vegas & Like Mike. Aqui eles pegam a original e transformam numa gigantesca canção progressiva, que parece ter saído das mãos do Avicii no começo só para finalizar numa melodia repleta de pianos que lembra na hora o Miike Snow (ouça e concorde – é impossível negar aquele final). No meio do caminho eles ainda lançam o refrão pra estratosfera, com direito a drops, batidas gigantescas e tudo o que precisamos em um bom remix. Imperdível.

Lady Gaga – Marry The Night (Dimitri Vegas & Like Mike Remix)

.

David Guetta – Titanium (Nicky Romero Remix)

Se no Friday Mixes passado nós postamos um excelente remix de “Titanium”, da Sia com o David Guetta, eis que o Nicky Romero surge com uma nova versão que consegue superar a anterior sem muita dificuldade. Culpe é claro um crescimento de batida gigantesco, que culmina em um drop tão violento e pesado que vai te fazer esquecer dos doces vocais da Sia.

David Guetta – Titanium (Nicky Romero Remix)

.

The Knocks – Brightside (Lenno Remix)

E o prodígio de 16 anos chamado Lenno ataca mais uma vez com todas as forças em um remix de qualidade, dessa vez na faixa dos seus próprios mentores, “Brightside” dos The Knocks. A versão dele pode não ser tão insana quanto a do The Fat Rat que postamos semana passada, mas Lenno deixa as coisas mais simples e fáceis de se dançar com batidas electro repletas de sintetizadores, que culminam inclusive em um delicioso solo de keytar em sua metade.

The Knocks – Brightside (Lenno Remix)

.

Katy Perry – The One That Got Away (Tommy Sunshine & Disco Fries Remix)

Apesar de adorar o R3hab, confesso que o remix que postamos dele pra nova da Katy Perry, “The One That Got Away”, foi um tanto previsível para o seu padrão. Eis então que surge o Tommy Sunshine & Disco Fries, que adicionam um twist necessário à essa mediana música, deixando os versos mais calmos e robotizando (ainda mais) os vocais de Perry, só para culminar em um refrão completamente original e retrabalhado, composto por  uma sucessão de bleeps, samples e barulhos eletrônicos que vão te fazer procurar a pista mais próxima.

Katy Perry – The One That Got Away (Tommy Sunshine & Disco Fries Remix)

.

Is Tropical – Lies (Juveniles Remix)

Você certamente já conhece o Is Tropical e seu incrível segundo single, “Lies”, e se você for um leitor constante do nosso blog, também já está apaixonado pelo Juveniles, trio francês que promete atacar 2012 com todas as forças. Aqui, os dois atos da Kitsuné se unem para uma explosiva versão de “Lies”, meio electro, meio-disco e cheia, cheia de sintetizadores novos. Com os vocais ligeiramente afinados, riffs de sintetizadores por todo o canto, o instrumental de “Lies” perde o ar sujo que antes tinha a favor de uma versão mais limpa, bonita e melhor produzida.

Is Tropical – Lies (Juveniles Remix)

.

Little Boots – Shake (Crazy P Remix)

Little Boots voltou com tudo com seu novo single, “Shake”, que deixou de fora um pouco seu electro-pop rotineiro a favor de um som mais disco e clássico, ainda que seja possivelmente a canção mais dançante da garota. E mais uma vez o Crazy P muda o gênero da música, deixando de lado as batidas fortes da orginal optando por um tom mais suave e delicado, com violões, tamborins e uma produção até meio Madonna em “Miles Away” – deliciosa de se ouvir e perfeita para relaxar.

Little Boots – Shake (Crazy P Remix)

.

[PACOTE COMPLETO] ♫ Friday Mixes #35 (D/L: Botão direito, Salvar como…)

Página 130 de 248« Primeira...1020...129130131...140150...Última »