Breakbot é cantor, produtor, DJ, e toda aquela mistura de coisas que já estamos acustumados. Seu nome é Thibaut Berland e nasceu na França. Assinado pela grande Ed Banger (gravadora com nomes como Justice e Uffie), ele ganha a vida fazendo seus remixes que vão de Digitalism à Pnau e Metronomy, e possui também um material próprio relativamente grande com alguns EPs lançados.

Destaco aqui seu penúltimo lançamento, Baby I’m Yours, do ano passado . A faixa de mesmo título trabalha lindamente com uma atmosfera disco revival anos 70 e 80, muito influenciado pela diversidade de sons que passava pelo Estúdio 54. A mistura de pianos e baterias transformam sua melodia em algo suave, porém sem perder seu ritmo dançante e estiloso, aliás, o que não falta aqui é estilo. A voz, emprestada de um tal de Irfane, se transforma aos poucos ao ponto de compor o ritmo da própria música. A letra é comum, do estilo “coração partido”, mas com uma batida dessas a gente acaba perdoando… Pra finalizar, o vídeo é muito bem produzido, composto por milhares de desenhos de aquarela animados, e vale a pena ser assistido.

Breakbot – Baby I’m Yours (Feat. Irfane)

Mais recentemente, Breakbot lançou um novo single, “Fantasy”, com a participação de Ruckazoid, que chega a soar como uma cópia renascida do Michal Jackson em horas. No final, é mais uma faixa com a mesma concepção que o single anterior, e já nos revela a vibe que o produtor propõe em suas músicas. O clipe, simples mas tão divertido quanto o anterior, mostra um estudante de arte tendo diversas “fantasias” com uma bela modelo que está retratando.

Breakbot – Fantasy (Feat. Ruckazoid)

Bobby Birdman é o nome de trabalho do músico Rob Kieswetter, mais conhecido pelo seu trabalho na banda de apoio do YACHT. Apesar dessa participação bem eletrônica e experimental, o seu trabalho solo caminha por lados praticamente opostos.

Sua nova música de trabalho que acaba de ser lançada, “Don’t Walk Away”, é um grande exemplo disso. A belíssima voz de Bobby é combinada com uma instrumentação bem folk, marcada por violões e gaitas, ideal para quem procura algo relaxante e de qualidade. O single ainda conta como b-side um remix do Selector Dub Nacortic (Calvin Jonhson), que consegue “dar um up” nesse intrumental, destacando principalmente esses elementos e transformando o solo de gaita em uma batida muito interessante e exótica, porém ainda downtempo.

Bobby Birdman – Don’t Walk Away

Bobby Birdman – Don’t Walk Away (Selector Dub Narcotic Remix)

A pergunta que não quer calar: quando Chiddy Bang vai lançar seu primeiro disco? Depois de começar uma mania de samples indies no hip-hop e dois EPs lançados, o duo está prestes a lançar sua primeira obra “completa”, que vai pelo nome de Breakfast. E o primeiro aperitivo, como já havíamos avisado aqui, é o hip-hop chiclete de “Mind Your Manners”.

A música foi apresentada pela primeira vez numa apresentação da MTV, onde Chiddy quebrou o recorde do freestyle mais longo da história, com 9 horas, 18 minutos e 22 segundos, soltando logo no fim dos inúmeros minutos de rima o seu novo single, que foi disponibilizado para audição hoje. Com um sample de “Manners” da Icona Pop no refrão, a música é um hip-hop na sua forma mais pop, e segue à risca a fórmula do duo. Repleto de batidas eletrônicas e a impecável produção de Xaphoon, o duo parece ter se esforçado ao máximo nesse primeiro single, que basicamente é a possível melhor escolha pra catapultá-los  no mercado mainstream.

Chiddy Bang – Mind Your Manners

Breakfast, o esperado debut de Chiddy e Xaphoon, não tem data definida ainda, mas sai até o final do ano.

Há um ano, o DJ e produtor canadense U-Tern junto com alguns amigos compôs “Paradigm”.  E assim como foi feita, a composição ficou: no anonimato. Por uma feliz obra do destino esta masterpiece foi divulgada agora, sob a guarda de uma banda fictícia chamada Cordova. “Paradigm” é uma expressão única do synthpop e do dreampop. Com uma tendência dance intocável, belamente acompanhada de uma linda voz, a faixa aproxima-se do celeste. Camadas de sintetizadores alavancam o refrão introvertido, levando-o ao angelical. Por ser uma faixa não lançada comercialmente, o experimentalismo é conservado, permitindo inovação ao pop.

Cordova – Paradigm

Uma beleza fora da mídia, e uma das minhas preferidas deste ano.

Dent May tenta se explicar de diversas formas em seu novo single, “Fun”, o motivo de sua ausência. Mas fato é, como sentimos falta desse cara! A não ser que você tenha vasculhado alguns posts bem antigos nossos, você deve saber que Dent May e seu magnífico ukelele foram um dos maiores motivos o qual resolvi criar esse blog: simplesmente não aguentava mais ver um dos melhores discos daquele ano (2009) ser completamente ignorado por todos.

Dito isso, é claro que você deve entrar aqui agora e se familiarizar com Dent May, mas não fique muito animado com o que ler. Em sua nova aventura musical, ele deixa os intrumentos havaianos, o som orgânico e até seu nome artístico inicial de lado, a favor de um som repleto de sintetizadores e batidas de hip hop vintages, com uma atmosfera eletrônica e até mesmo psicodélica. Mas embora a sonoridade tenha mudado, a habilidade de Dent May para criar irresistíveis melodias pop ensolaradas ainda continua tão afiada quanto nunca. Tão simples quanto seu título, “Fun” irá se apropriar do seu cérebro em instantes.

Dent May – Fun

O single de “Fun” será lançado dia 13 de Setembro, mais uma vez pelo Paw Tracks, o selo comandado pelo Animal Collective.

Para quem não conhece, Ford & Lopatin é uma dupla de eletrônico americana composta por Joel Ford e Daniel Lopatin, que lançou seus primeiros trabalhos ainda em 2010, sobre o nome de GAMES. No começo do mês eles lançaram o primeiro disco, Channel Pressure, e agora estão lançando uma música extra pelo programa de singles do Adult Swim.

A faixa em questão é “Too Much MIDI (Please Forgive Me)”, que é uma bela síntese do seu trabalho. Como o próprio nome já diz, há uma enorme quantidade de midis, misturados com sintetizadores analógicos, dando à ela uma vibe oitentista. O vocal, mais suave, cresce à incriveis e dançantes “whoaaa” que com certeza irão tirar muita gente do tédio nos sábados a noite.

Ford & Lopatin – Too Much MIDI (Please Forgive Me)

Björk – Crystalline

Felipe —  27/06/2011 — 5 Comments

É da gélida Islândia que temos uma das artistas mais completas da atualidade. A multitalentosa Björk sempre nos trás ótimas surpresas, tanto no cinema quanto na música. Seu álbum Biophilia, que será lançado 26 de setembro e é sucessor de Volta de 2007, têm causado alvoroço no mundo da música, não somente por ser uma obra da já consagrada Björk, mas também porque trará inovações de todas as proporções. Uma delas é que ele foi gravado em partes em aplicativos do iPad, e a outra, declarada pela própria artista, é que o álbum irá mostrar “o funcionamento do som na natureza, explorando a expansão infinita do universo, dos sistemas planetários às estruturas atômicas”.

“Crystalline” é o primeiro single do álbum, e nos trás uma Björk mais excêntrica do que nunca. A faixa começa delicada, com uma percussão executada de maneira impecável, e aos poucos, novas batidas e sintetizadores vão surgindo, sendo complementadas pelo  típico vocal já conhecido por todos. No final da música, uma bateria desesperada surge, quase que metralhando nossos ouvidos, remetendo longinquamente a algumas faixas do Radiohead. Sem perder o primor de suas produções, Björk  já nos apresenta de cara o quão limpo e sereno será seu novo projeto.

Björk – Crystalline