Existe algo melhor que uma boa melodia de contrabaixo acompanhada de vocais delirantes?  Aparentemente não.  É com prazer que apresento o duo francês Slice & Soda, nascido da junção do DJ e produtor musical Para One com o cantor San Serac. A dupla faz um som inspirado no funk e no disco, porém não é mais um revival dos anos 70. O single “Shake Up” soa contemporâneo, e é a porta de entrada para o álbum. Leve e descontraído, encanta logo na primeira audição. A batida é simples, porém no conjunto harmônico torna-se deliciosamente empolgante. Os efeitos de pick-up são incorporados ao longo da música e revelam as influências da banda.

Slice & Soda – Shake Up

O debut também intitulado Slice & Soda foi recém-lançado pela gravadora Sixpack France e contém 11 faixas.

Twin Sister é aquela banda que pode ser resumidamente descrita como um conjunto de melodias suaves e dançantes, dentro do chillwave e do downtempo. Com dois EP’s e uma carreira relativamente nova, eles já estão agradando os ouvidos de diversas pessoas ao redor do mundo.

“Bad Street” é o primeiro single do futuro álbum deles, o In Heaven, que será lançado em Setembro. Logo de inicio se tem uma repetição de guitarras e baterias que evoluem junto com versos grudentos e sussurados por Andrea Estella. O resultado é um som intimista e, ao mesmo tempo, convidativo, caloroso, sexy e até mesmo funky, que conquista os ouvintes logo na primeira audição.

Twin Sister – Bad Street

O álbum In Heaven sai dia 27 de Setembro.

Um tributo de grandes estrelas nacionais e internacionais ao Tropicalismo, movimento brasileiro dos anos 70 que mesclou o soul norte-americano com rítmos tipicamente nossos. Assim chega o disco Red Hot + Rio 2, que busca homenagear as músicas mais consagradas da época, só que dessa vez dando um tom mais moderno a elas. Tem Seu Jorge com Beck, of Montreal com os Os Mutantes e David Byrne com Caetano Veloso.

Mas a que mais queria ouvir, entretanto, era essa aqui: “Um Canto De Afoxé Para O Bloco Do Ilê”, do Caetano, cantada pelos favoritos Cults e produzida pelos experimentalistas do Superhuman Happiness. A música, que é toda em português, tem os doces vocais já conhecidos de Madeline Follin, do Cults, arriscando sobre uma produção extremamente rica e surpreendente do  Superhuman Happiness. Enquanto a original têm apenas três minutos e uma única percussão que se repete por toda a faixa, aqui a música é extendida por cinco minutos de pura festa tropical, que começa lenta e vai incrementando o ritmo com trompetes, saxofones, tamborins, cowbells e bastante energia brasileira.

Cults & Superhuman Happiness – Um Canto De Afoxé Para O Bloco Do Ilê

E além de ser um projeto bem realizado, parte da renda obtida com as vendas do disco serão revertidas para os projetos de conscientização e combate à AIDS promovidos pela Red Hot. O álbum será lançado dia 28 de junho, mas enquanto ele não sai, já dá pra ouví-lo por completo clicando aqui.

Maroon 5 e Christina Aguilera estão prontos para tirar da sua boca qualquer gosto amargo que seus últimos trabalhos deixaram. Depois do fracasso do Hands All Over e do Bionic, os dois artistas resolveram pegar carona no sucesso do reality show musical que estão fazendo, The Voice, para lançarem um single juntos, e é basicamente dez vezes mais brilhante do que você deve estar imaginando.

É claro que se tratando do Maroon 5 não devemos esperar nada mais do que um pop descompromissado, mas pra quem já trouxe hits como “This Love”, isso não é nada mal. E ”Moves Like Jagger” é a melhor coisa deles desde o segundo disco. Uma guitarrinha ensolarada e assovios que não vão sair da sua cabeça começam a faixa, que tem no refrão Levine pedindo pra você dançar como Mick Jagger, e sua banda realmente te obrigando a fazê-lo. Mas se veio aqui por Christina Aguilera, saiba que ela só entra no middle-8 da faixa, mas como sempre, a combinação de sua voz e presença é de roubar os holofotes. ”Moves Like Jagger” é aquele power pop que só a banda sabe fazer, e prova finalmente que eles ainda não perderam o gingado.

Maroon 5 – Moves Like Jagger (Feat. Christina Aguilera)

Depois de sair de um remix da faixa, acaba de cair na internet “Hits Me Like A Rock”, o novo single do Cansei De Ser Sexy, ou CSS para os mais íntimos. Com um tom mais relaxado, pianos, sintetizadores tropicais e os doces vocais de Lovefoxx de sempre, a música ainda conta com  a participação especial do vocalista do Primal Scream, Bobby Gillespie. Um pop despretencioso nos moldes do primeiro disco, o climinha electro-reggae do remix ainda é deixado de lado a favor de uma atmosfera mais verão, perfeita para o hemisfério norte. O single dá o tom para o terceiro disco do grupo, La Liberación que sai dia 29 de Agosto.

CSS – Hits Me Like A Rock

CSS – Hits Me Like A Rock (Dillon Francis Remix)

Gold Field é uma banda de indie de Ballarat, da Australia, e como toda banda independente que se preze, existe pouquíssima informação e material divulgado sobre eles até então. Após lançar um EP demo homemade, o quinteto se prepara para entrar em turnê com o Miami Horror, mas antes, resolveu divulgar o primeiro single oficial do debut homônimo, “The Woods”.  Energética e demarcada por batidas insistentes, a música conta com vocais  interessantes que fogem da monotonia recorrente no rock, e existe espaço para leveza e para backing vocals bem empregados. O contrabaixo destaca-se da melodia pela força, fornecendo uma atmosfera punk à faixa.

Gold Fields – The Woods

O álbum The Woods, produzido pela própria banda, será lançado em primeiro de agosto.

O clipe já saiu há três semanas, mas é quase um insulto deixar passar em branco. Os ingleses do Is Tropical causaram um pequeno alvoroço no mundo da música ao serem lançados como aposta para 2011 pelo selo francês Kitsuné. O primeiro single, “The Greeks”, é uma mistura de eletrônico e new rave, perfeito para curtir numa pista de dança, e apresenta ao mundo essa banda que ainda é cercada por certa aura e mistério. Amigos de infância, os integrantes (Simon Milner, Gary Barber e Dominic Apa) estão sempre com lenços escondendo seus rostos, valorizando o anonimato, e o vídeo da faixa,  idealizado por eles mesmos, realiza  o desejo que sempre tiveram  de gravar um clipe no formato “guerrinha”.

A tal guerrinha, entretanto, é uma crítica camuflada, onde crianças simulam uma briga de máfias, com tiroteios de armas de brinquedo, tráfico de drogas e muito sangue. Tudo isso com uma pitada de humor, visto que o video é cheio de efeitos especiais em formato de desenho. A direção fica por conta do Megaforce, que também é responsável por clipes do Two Doors Cinema Club e Tame Impala.

Is Tropical – The Greek

Is Tropical – The Greeks (Tagteam Terror Remix)

O debut da banda, Native To, foi lançado semana passada, dia 14 de junho.