Archives For AlunaGeorge

.

O Badboxes cativa facilmente graças a um experimentalismo bastante acessível e que gruda na cabeça. Com uma sonoridade que deve agradar aos fãs de Daft Punk, AlunaGeorge e The Postal Service, o trio dos EUA já lançou o EP JSMN, que rendeu o inventivo clipe da delicada “JSMN”. O novo single do grupo é a sensual “The Mystery”, que possui um vídeo que investe em uma atmosfera que remete a filmes noir. O videoclipe dirigido por Thom Glunt mostra uma espécie de andróide marginalizado em uma realidade que mistura elementos retrôs e futuristas, o que combina com o mistério proporcionado pela música, que aposta em um saxofone sedutor para aumentar a sensação de imersão.

934679_352415771555016_1094567809_n

A reunião de 17 músicos brasileiros para gravar um tributo ao Cazuza é a ideia central de Agenor, coletânea lançada hoje pelo selo Jóia Moderna que está sendo distribuída gratuitamente por aqui. Das novas versões, que transitam entre o afro-pop do Do Amor e o experimentalismo lo-fi do Kassin, é a produção cristalina e repleta de elementos modernos do SILVA que destaca das demais, ao mesmo passo que revela uma nova faceta do artista que, eventualmente, deverá ser melhor explorada em seu novo disco, programado para o fim do ano.

A canção escolhida pelo capixaba é a romântica “Mais Feliz”, composição de Cazuza que ficou conhecida na voz de Adriana Calcanhotto em meados dos anos 90, que aqui tem sua estrutura original mantida intacta e a produção completamente recriada com o auxílio dos novos vocais. Deixando de lado o dream-pop de Claridão e as influências oitentistas da recente “Amor Pra Depois”, o músico mergulha em influências modernas para dar nova sonoridade à canção, transformando-a em um sedutor número future-pop que começa de forma calma, com pianos que parecem sair do último projeto do Cashmere Cat, até explodir em um refrão repleto de sintetizadores e batidas eletrônicas que soam como obra do AlunaGeorge ou como uma tentativa do Foster The People de transformar o trap em pop. Adicione ainda saxofones incrivelmente sexy que completam de forma orgânica a produção eletrônica que você terá mais um belo exemplo da versatilidade de SILVA, que comprova sua posição de vanguarda no cenário musical brasileiro e deixa incógnitas a respeito do seu próximo trabalho, mas com plena certeza de que seu futuro nunca foi tão promissor.

Silva – Mais Feliz

raiknightdigitalcover4

O duo The Soundmen, formado por Scott Durday e Justin Jamison, pode não ser tão conhecido ainda, mas tem mostrado que merece uma atenção especial quando o assunto é produção musical e remixes. A dupla já passou inúmeras vezes por nossas páginas com belos remixes para bandas como The Killers e Foster The People, e agora, com uma produção original deles próprios, mostram também que sabem criar música digna das melhores pistas do mundo.

Contando com a ajuda da delicada Rai Knight nos vocais, em “With You” o The Soundmen prepara uma produção future-pop que abusa de sintetizadores, samples e efeitos de todos os tipos, que contagiam logo de cara. Além da produção futurística, os vocais de Rai, que remetem a uma Little Boots com mais atitude, conseguem cair como uma luva sobre os efeitos insanos, puxando a música pro pop radiofônico e deixando-a mais grudenta, próxima da perfeição, soando como uma produção do AlunaGeorge para uma Janet Jackson do futuro. Com faixas como essa, o duo tem tudo para fazer a diferença em meio a tantos DJ’s e produtores que existem atualmente, e já se consolida como um dos grandes achados de 2013.

The Soundmen – With You (Feat. Rai Knight)

A música é o primeiro single de um EP ainda sem título, programado para ainda este ano.

Wet – U Da Best

Luis Felipe —  01/08/2013 — 1 Comment

artworks-000044353202-62ki3c-original

Os sentimentos de arrependimento e incerteza nunca soaram tão tentadores numa canção quanto em “U Da Best”, do trio nova-iorquino Wet. Economizando inclusive na gramática, o trio é dono de um future-pop minimalista que acaba de tomar forma com o lançamento deste primeiro single, um número sublime e moderno, que nos agarrou logo no primeiro segundo (sério mesmo).

Apresentando logo de cara os vocais de Kelly Zutrau, a canção se inicia de forma sensual até ir encorpando sua produção, deixando uma série de surpresas e mudanças de ritmo ao longo do caminho. A composição carrega um senso de melancolia escondido entre seus versos de amor, e a produção, que soa como um encontro entre o futurismo do AlunaGeorge e o minimalismo do The xx, solta suas verdadeiras batidas na casa dos 40 segundos, pontuando ainda uma série de efeitos nos vocais de Zutrau (no melhor estilo Imogen Heap) junto a deliciosas linhas de guitarra e um grave hipnotizante, que parece massagear seu cérebro e te colocar em transe. De ficar realmente molhado.

Wet – U Da Best

Sonar-2013

Mesmo com pouco mais de um mês de atraso, anunciamos ainda com imenso orgulho a cobertura completa do Festival Sónar que aconteceu entre os dias 13 e 16 de Junho de 2013 em Barcelona. Em 2012, este blog foi convidado para cobrir o evento que aconteceu em São Paulo no Brasil também. A partir dessa oportunidade, conseguimos dar um passo adiante e descolar por meio de uma das idealizadoras do festival, uma credencial de imprensa que dava acesso completo à toda a programação do evento. Desde já agradecemos a oportunidade, e esperamos estar presentes na edição de 2014 e possivelmente nas outras edições do evento pelo mundo. A principal novidade do 20º aniversário do evento foi a mudança do local do Sónar Dia, que foi transferido do pátio do MACBA (Museu de Arte Contemporânea de Barcelona) para a Fira Montjuic, que é um complexo enorme que recebe grande parte dos eventos grandes da cidade. Grande acerto! A organização no geral, a fluência do público entre os shows, acesso aos banheiros, às áreas VIPs e ao galpão de novas mídias estava impecável, muito bem sinalizado e sem grandes problemas de locomoção.

Continue Reading…

pawws

Não faz muito tempo que apresentamos aqui no blog a londrina Lucy Taylor, também conhecida como Pawws com seu primeiro single “Slow Love”, e parece que nosso desejo por mais músicas da promissora cantora foi atendido com o lançamento da ótima “Time To Say Goodbye”. Com contrato assinado com a ASL Records, casa do duo Crushed Beaks, a garota se prepara para lançar seu primeiro álbum ainda esse ano, e considerando os dois singles já liberados, fica claro que o material que vem por aí é de qualidade.

A faixa traz os vocais doces e sensuais de Lucy sobre uma produção que se inicia quase que numa áurea oitentista caminhando pelo pop com batidas que soam como uma versão mais tranquila das músicas da Grimes ou AlunaGeorge, a canção não perde tempo e logo se transforma numa balada arrebatadora em que os elementos de synth-pop e as harmonias vocais criam uma melodia contagiante e com diversas camadas de produção. Com uma letra emotiva e um refrão que lembra facilmente algumas canções do Passion Pit, Pawws nos apresenta uma receita perfeita de uma canção pop super açucarada, e prova que todo clichê do “menos é mais” realmente pode resultar em algo incrível quando o assunto é música.

Pawws – Time To Say Goodbye

pawws_4

A londrina Pawws (pseudônimo de Lucy Taylor) tem virado o mundo da música pop de cabeça pra baixo. Mas o mais impressionante é que se você olhar o SoundCloud da cantora, encontrará uma demo, “Outside”, e uma única música finalizada, “Slow Love”, o suficiente para que diversas publicações manifestassem suas apostas e gerassem um tremendo buzz em torno da garota, que acabou parando inclusive no Radio 1, da BBC. Do pouco que sabemos sobre Lucy podemos destacar que ela ganhou bastante notoriedade ao trabalhar com o Kele Okereke, do Bloc Party, na música “What Did I Do”, primeiro single do EP solo do rapaz, e que logo em seguida começou a trabalhar neste atual projeto, que está dando o que falar.

Em seu primeiro single oficial, “Slow Love”, somos testemunhas de um synth-pop clássico e fino, excelente para ser cantarolado em casa mas que também nos deixa otimistas para dançar a música nas melhores pistas do mundo. Com sintetizadores sedutores, uma batida contagiante e diversos samples retrôs espalhados na produção, a faixa traz bastante similaridades a projetos modernos e soa como um encontro entre o AlunaGeorge e a Cyndi Lauper, além dos vocais doces e primorosos de Lucy lembrarem bastante o do Chvrches. Com uma letra que fala sobre o amor de forma otimista e equilibrada, passando a mensagem de que o verdadeiro amor pode durar por toda a eternidade e que, por isso, não há necessidade de pressa, é utilizando de versos grudentos e de um refrão infalível que a jovem promessa de Londres manda o recado e dá uma aula de como fazer um pop moderno, nos introduzindo a um single viciante, daqueles que deixam água na boca. E como por enquanto só temos uma música (que não seja demo) para saborear, fica aqui nosso desejo por muito mais.

Pawws – Slow Love