Arquivos para Grimes

.

Com o clipe de “Waste Of Time”, Karen Marie Ørsted prova novamente que é uma artista que tem grande potencial para despertar o interesse de muita gente com seu projeto musical, denominado , cujas primeiras músicas foram apresentadas pelo blog no ano passado. O novo vídeo mostra a cantora dinamarquesa dançando e “batendo cabelo” como se ninguém estivesse olhando, algo que já foi visto no clipe de “Glass”. Além disso, o clipe dirigido por Anders Malmberg apresenta uma série de imagens aparentemente aleatórias, desde quadros até objetos. O single deve ser lançado oficialmente no dia 7 de julho, preparando o terreno para o álbum de estreia, que ainda não tem nome e nem previsão para ficar pronto. Apesar de comparações com Lykke Li, Grimes, Purity Ring, Lorde, PawwsHaim, o som da MØ é bastante peculiar, em função de uma rebeldia presente nas letras e da mistura de sintetizadores selvagens com guitarras e outros sons experimentais que geram canções pop com uma pegada R&B.

cc50b5a5925d190cc17755fc2ecd8a88

Estourou de vez. Preparem os ouvidos (ou os olhos) para ver como a mocinha Brooke Candy vai ser comparada (estupidamente?) com a Lady Gaga. Excentrismos à parte, Brooke é a definição perfeita para a palavra atitude. A nova queridinha do mundo da música, da moda e dos hipsters vem de Los Angeles, diretamente da cena stripper da cidade. A começar por aí, o rostinho nos é familiar. Trabalhou com Grimes no clipe de “Genesis”, trabalhou com Charli XCX e alguns outros nomes mais undergrounds. A música está em algum lugar entre o pop e o hip hop, e a boquinha suja da Brooke entoa frases de tanto impacto que os haters do mundo vão surtar.

“Pussy Make The Rules” é a vitrine ideal pra promover ao extremo o novo single da cantora. A música faz alusão DIRETA à Lady Gaga, Britney Spears e Christina Aguilera, e ainda enfatiza, além do título da música, o quanto as mulheres são poderosas. O clipe é obsceno, é genial. Uma crítica social mesclada com um nítido “foda-se” para todos os tabus que a sociedade ainda insiste em levar adiante. Brooke é lésbica, mas esse é o menor dos detalhes de toda a aura polêmica que projeta sobre si. Ainda estou receoso em colocar a artista do lado de nomes como Azealia Banks, Iggy Azalea e Angel Haze porque aqui o buraco é mais embaixo. “Quem dita as regras”?

Brooke Candy – Pussy Make The Rules (Feat. Lakewet)

OWLLE

Owlle é uma artista francesa que não pede apresentação, até mesmo pela escassez de informação encontrada  na internet. Com um EP lançado no final do ano passado, Owlle produz um dreampop eletrônico que parece buscar influências em produções entre Grimes e Robyn, e apesar de ser francesa, a artista pode facilmente ser confundida com algumas cantoras do pop britânico atual.

“Ticky Ticky” é o primeiro single da cantora e mostra que a artista tem potencial para estourar na mídia ainda esse ano. Com um começo sombrio, a música logo evolui para um pop eletrônico que se encaixa perfeitamente com a voz um tanto quanto séria e por vezes sombria de Owlle, que nos lembra de Lizzy Plapinger do MS MR, porém em uma versão mais dançante, que também contribui para o refrão grudento, que pode demorar algumas horas ou dias para sair da sua cabeça. O vídeo também é um bom complemento para a faixa, acompanhando a cantora caminhando por lugares variados e passando por cowboys dançarinos e bailarinas.

Owlle – Ticky Ticky

MO-Glass

A dinamarquesa Karen Marie Ørsted, nome por trás do projeto , teve a internet aos seus pés em 2012 com o lançamento dos singles “Pilgrim” e “Maiden”, suficientes para transformar a cantora de apenas 23 anos na nova queridinha do pop. Apesar de sua estética não-comercial, que remete a artistas como Purity Rings e Grimes, a cantora apresenta um som acessível mas repleto de boas ideias, como demonstra em seu novo single, “Glass”, e em seu recém-lançado vídeo.

Ao meio de tantos refrões grudentos, backing vocals que parecem cheerleaders e riffs de sintetizadores que parecem sair da terra mágica de Oz, fica mais fácil se deixar levar pela divertida produção do que entender sua verdadeira mensagem. Entretanto, basta uma audição cuidadosa para revelar o propósito da composição, que traz a tona o senso de inquietação mesclado à apatia da atual juventude, que deseja mudar o mundo mas prefere deixar a tarefa para o dia seguinte. O vídeo, que transmite a mesma mensagem da música, complementa sua letra e ajuda a mostrar a personalidade da dinamarquesa, que com certeza não é sua popstar convencional.

MØ – Glass 

MozartsSister_1-600x400

Ela é do Canadá, escreve suas próprias músicas, tocas de guitarra a sintetizadores e replica suas músicas de estúdio sem a ajuda de ninguém em seus shows. E não, não estamos falando da Grimes, mas sim do projeto de Caila Hannet, que já passou por diversas bandas mas se prepara para lançar este ano o primeiro disco do Mozart’s Sister, que comanda sozinha. Com um EP lançado em 2012 e diversos shows feitos antes disso, o projeto foi citado pela própria Grimes como uma de suas maiores inspirações, tamanha a similaridade entre as duas.

Antes do lançamento oficial, o Mozart’s Sister prepara terreno para a chegada do EP Hello, com o single auto-intitulado “Mozart’s Sister”, onde explica o motivo do seu nome. Soando como uma mistura de elementos do pop e R&B dos anos 90 e culminando como uma versão de “Don’t Save Me”, do Haim, produzida pela Grimes, “Mozart’s Sister” é dona de uma produção original e energética, e conta uma crônica de uma pessoa que está sempre em segundo plano – mas que se contenta com isso, afinal, como diz a própria letra, “estar em segundo é melhor do que em terceiro”. Entretanto, se o single for alguma indicação, Hannet terá os holofotes para si muito em breve.

Mozart’s Sister – Mozart’s Sister

O EP Hello, do Mozart’s Sister, será lançado no dia 25 de fevereiro pelo selo Merok Records.