Archives For Jessie Ware

CATE – Pride Away

Felipe —  14/09/2018 — Leave a comment

A cantora portuguesa CATE lança seu primeiro single, um R&B e soul vibrante que bebe de diversas fontes. Seu som nos remete à Shura, Jhene Aiko, Jessie Ware e Beyoncé. Também foi lançado seu primeiro vídeo, com referências às suas paixões, seu amor pelo continente africano, pelas viagens e pelas pessoas. O vídeo foi gravado em São Tomé e Príncipe e extrapola para além da música às belezas do país, do seu povo e de uma viagem que sempre foi o sonho da artista.

slo_jess_mills_732_606

A artista Jess Mills adora passear por novos gêneros e se arriscar por áreas poucos exploradas, dessa maneira se renova e consequentemente inova. SLO é uma dessas aventuras, onde Mills semeia sua delicadeza e redescobre dentro de sí a capacidade de ser multifacetada. Enquanto seu projeto solo sobrevoava os campos do dubstep e do drum’n’bass, SLO viaja para outra dimensão, para um pop etéreo, delicado e cativante. Toca no fundo dos nossos sentimentos. É como se Jessie Ware convidasse Shura, FKA Twigs e London Grammar para um café, e alí decidissem escrever uma canção, “Shut Out Of Paradise”. A voz susurrada é uma ode à sensualidade, o piano é quase uma extensão de sua voz, e ambos combinados soam quase à perfeição. SLO já tem um EP homônimo, que apesar de ter muito potencial, ainda foi pouco divulgado. SLO ainda tem o mundo ao seus pés, só precisa aprender a pisar mais pesado.

.

Dona de dois clipes sensacionais (se você ainda não vi, já passou da hora de conferir “Undiscovered” e “Cold Front”), Laura Welsh é um nome que tem tudo para fazer tanto sucesso quanto Jessie Ware, Sky Ferreira ou MS MR. Assim como em “Unravel”, Laura Welsh cria uma balada pop sedutora e épica, chamada “Betrayal”. O vídeo do novo single representa a melancolia da inglesa por meio de imagens de estética caseira, aparentemente sem nenhuma conexão entre si.

.

É fácil uma canção sensual como “Touch” cair na armadilha de ter um clipe apelativo, porém, Shura soube expressar a sensualidade de sua música de estreia com muita sutileza. Junto de Ammr Khalifa, a artista dirigiu o videoclipe de seu primeiro trabalho solo. No vídeo, diversos casais aparecem se tocando e trocando beijos. Mais do que as carícias, os olhares e sorrisos antes dos momentos de intimidade com outra pessoa são salientados pela câmera, servindo como ótimo pontapé para a divulgação do trabalho da cantora, que soa como uma mistura de Haim, Jessie Ware, Chela e Laura Welsh.

undiscovered

Quem acompanha o blog sabe da nossa queda pela sucessão de lançamentos sedutores que Laura Welsh vem apresentando. Seguindo os mesmos passos de cantoras como Jessie Ware, Aluna Francis e Solange, a inglesa vem se mostrando adepta de trabalhos caprichados, vide suas parcerias com o produtor Dev Hynes, que se estende após uma sessão de estúdio que resultou em produções ainda mais sensuais.

Marcando território para o lançamento de seu futuro EP, intitulado Cold Hands, Welsh apresenta “Undiscovered”, mais um bom trabalho extraído de seu portfólio. Embalada por uma atmosfera urbana e ao mesmo tempo intimista, um piano rítmico introduz sintetizadores progressivos sobre timbres calorosos, enquanto, sem esforços, Laura entoa seu vocal de maneira impecável. Desta vez, a parceria com Dev Hynes se deu apenas na composição, abrindo espaço para uma produção assinada por Emile Haynie, que apresenta um viés cinematográfico sobre efeitos drum’n’bass abafados e sussurros em segundo plano. No vídeo, o diretor Chris Sweeney apostou em uma estética corporal, que mistura momentos de dança contemporânea a uma iluminação a contraluz e coreografias envolventes, criando um efeito estonteante.

Laura Welsh – Undiscovered

21390_683421525017184_933059470_n

O resultado de seis amigos que se conheceram em uma respeitada escola de música britânica, o sexteto The Hics, assim como sua música, está chegando vagarosamente aos nossos ouvidos, começando com algumas demos lançadas no final do ano passado e culminando na estreia de um primeiro EP, que chega logo mais, no dia 19 de Agosto.

Donos de um pop de extrema elegância, a palavra que melhor define o som do sexteto neo-soul é “sofisticação”. Entrelaçando os vocais de Sam Evans com os de Roxana Davette, “Tangle” é a melhor amostra do potencial da garotada até então, que fazem um som bem mais adulto que sua idade (entre 19 e 22 anos) pode aparentar. Exalando calor de suas batidas sintéticas graças ao auxílio de delicadas guitarras em reverb, sintetizadores sutis e palminhas em slow-motion, a produção soa como um encontro sensual entre a riqueza da Jessie Ware e o experimentalismo do James Blake, culminando em uma faixa que te abraça como a força de um redemoinho e te pede para fechar os olhos e mergulhar por suas camadas de som, te deixando inerte ao longo dos seus quatro minutos.

The Hics – Tangle

.

Como esperado, “Tennis Court” é a música do segundo clipe da Lorde. Contudo, o vídeo surpreende por exibir apenas o close da cantora. Enquadrar o rosto de artistas para garantir mais emoção dos mesmos é um recurso que já foi usado em outros clipes ótimos, como “Cold War” (da Janelle Monáe) e “Wildest Moments” (da Jessie Ware). No caso da segunda música escolhida para divulgar o EP The Love, Lorde apostou em um videoclipe simples, prendendo a atenção do início ao fim devido ao visual gótico e à iluminação que muda de acordo com as batidas da música. Além disso, o vídeo ganha mais vida em função da expressividade da artista neozelandesa, que permanece olhando para a câmera, sorrindo discretamente e cantando somente os “Yeah” da pegajosa canção.