Archives For Sufjan Stevens

Os meus remixes e covers favoritos são geralmente aqueles que se arriscam mais, que tentam de alguma forma mudar a perspectiva que temos sobre a original, e mesmo não conseguindo superá-las, consegue agregar um novo valor à mesma. São exatamente por esses motivos que estão aqui abaixo 3 covers que vão entrar como alguns dos meus favoritos do ano, e digo logo que o que têm de curtos (o maior tem 2:40), têm de criativos.

.

Rockapella – A-Punk (Vampire Weekend Cover)

“A-Punk”, uma das minhas músicas favoritas de uma das melhores bandas a sair nos últimos anos, ganha aqui uma nova roupagem. Se a original já tinha um quê de batidas africanas, este cover é praticamente um passeio à selva do Rei Leão. Se você reparar, pode ouvir até uns pedaços da trilha sonora do filme cantados ao fundo da música, que não tem a velocidade e o agito da original, mas mantém o ritmo sem deixar tudo lento demais. É um cover divertidíssimo, com um baixo delicioso, que vai fazer você lembrar o quanto ama essa faixa.

♫ Rockapella – A-Punk (Vampire Weekend Cover)

.

Telephoned – O.N.E. (Yeasayer Cover)

O Telephoned é esse duo que você acima,que na verdade estavam ano passado abrindo simplesmente para o Chromeo. Aqui, eles pegaram um dos hinos indies do ano, “O.N.E”, com toda a sua aura de balada anos 80, que ganha aqui os vocais do grupo e batidas menos dançantes, mas não menos atrativas. Em uma versão mais relaxada e mais soul, a música que só fica no refrão só peca por ser curta demais, mas prometo que cada segundo valerá a pena. Nada comparável com a original, é claro, mas é uma boa música para sua playlist de verão enquanto toma um drink refrescante.

♫ Telephoned – O.N.E. (Yeasayer Cover)

.

Jump Clubb – Futile Devices (Sufjan Stevens Cover)

Mas… já? Sim, postamos alguns dias atrás essa faixa do “Age of Adz” um dos grandes lançamentos do ano e já temos um cover pra ela. Se na verdade tinhamos a música como a única que lembrava o passada de Sufjan e sem toda a produção louca que está por todo o disco, nesse cover a história muda. Com sintetizadores, batidas fortes e palminhas, a música ganha um novo ar, com o vocal lo-fi do Jump Clubb, que acompanha a estrutura da música igual a original, até ao soltar o belo refrão só no finalzinho. Esse é daqueles covers que conseguem competir de peito a peito com a original.

♫ Jump Clubb – Futile Devices (Sufjan Stevens Cover)

.

O Sufjan Stevens surpreendeu definitivamente o mundo com o seu The Age of Adz. Tivemos uma primeira amostra do que seria seu trabalho novo com “I Walked” e “Too Much”, mas ao ouvir o disco por completo tive a sensação de que estava ouvindo um encontro entre o Radiohead e o Animal Collective, acrescentando um Sufjan completamente pirado e 30 pessoas cantando em coro. Prova disso é uma das melhores faixas do Adz, “I Want To Be Well”, além de gigante epopéia “Impossible Soul”, com seus vinte e cinco minutos de duração. Ela por si só merece um post a parte.

Em “I Want To Be Well”, Sufjan nos leva a uma viagem muito próxima ao que o Radiohead fez na clássica “2+2 = 5. A faixa tem uma energia incrível e vai crescendo assustadoramente até repetir “Well I Want to Be” por mais de 3 minutos em coro, como se Stevens cantasse quase que em transe. Já em “Futile Devices” temos um pequeno resgate daquilo que ele era, singelo e doce, numa de suas mais bonitas composições. A faixa que abre o álbum certamente destoa de todo o resto do disco, que é  mais barulhento e eletrônico, mas sem discrepância ou gratuidade. É como se ela nos preparasse pro que havia de vir.  Certamente, Sufjan fez um dos discos do ano, mas acima de tudo um divisor em sua carreira, e será lembrado por isso por um bom tempo.

Sufjan Stevens – I Want To Be Well

Sufjan Stevens – Futile Devices

Mal o Sufjan disponibilizou um EP com oito faixas que anuncia para o mês de outubro o lançamento de mais um disco, o The Age of ADZ (pronuncia-se odds). Este será o primeiro depois do grande sucesso que foi Illinois, de 2005, que é considerado um dos álbuns mais importantes da década passada. O disco deve ser lançado dia 12 de Outubro em CD e MP3, e 9 de novembro em LP duplo, edição para colecionadores. Até agora o que se sabe é que o ADZ será bem diferente de todos os trabalhos feitos por Sufjan, incluindo aí o seu último EP. Não teremos canções de amor, homenagens a estados norte americanos, nem ao apocalipse. As bases musicais também prometem ser bem diferentes.

A faixa disponível pra download, I Walked, traz aí, ao invés de banjos, sons eletrônicos, vocais cheios de reverbs e um Sufjan quase irreconhecível. Nos primeiros segundos já se nota toda a força eletrônica que deve ditar o novo álbum. Os vocais em grupo tão característicos de seus trabalhos aparecem dessa vez mais soturnos, sombrios até. Ao que me parece, Stevens levou a sua banda para passar uma temporada nos paises nórdicos no mais profundo inverno.  O The ADZ terá 11 faixas e promete ser um dos maiores lançamentos do ano. Compare você mesmo ouvindo I Walked.

♫ Sufjan Stevens – I Walked

O queridinho do cenário indie está de volta. Sufjan Stevens, que acabou de lançar um EP, All Delighted People, vem fazendo o que sabe de melhor: belas canções, com arranjos que envolvem xilofones, vocais em coro e instrumentos de sopro, que muitas vezes lembram cantos cristãos. O trabalho do EP é soberbo, mas nada não menos diferente de um cara que um dia se propôs a lançar 50 discos fazendo referência a todos os estados americanos.

Na modesta opinião desde que escreve, a melhor faixa é a de abertura, que dura 11:38min e remete a alguns de seus antigos trabalhos. De acordo com sua gravadora, a música é uma dramática homenagem ao Apocalipse, e se formos fazer algum tipo de comparação, a faixa lembra muito o penúltimo trabalho da Joanna Newson, o álbum Ys. Praticamente uma epopéia. O EP, que tem 8 faixas e 60 minutos de duração, também conta com uma versão classic rock da música título. E outro detalhe, se vocês prestarem mais atenção na capa, verão ali até o Leonardo DiCaprio. O All Delighted People pode ser adquirido por $5 aqui, ouvido por completo aqui em baixo, ou baixado em qualidade máxima na barra aqui ao lado.

♫ Sufjan Stevens – All Delighted People (Original)

.

Já acompanho a carreira da banda a um bom tempo já, mas não tem uma hora melhor pra apresntá-la a vocês do que agora. Com “KIds” do MGMT já esfriada (e inclusive um novo CD dos caras chegando – que inclusive não está agradando muitos), misturando as batidas da música com os versos do cara, basta ouvir “The Opposite of Adults” de novo pra resgatar todas aquelas boas memórias de 1990 2008! A letra é inocente e bem legal, e é basicamente o relato de Chiddy quando era criança. O clipe é divertido também, e está logo abaixo.

Já as outras músicas de Chiddy seguem o mesmo estilo. Pegam um sample de alguma música adorada pela galerinha indie e botam versos de rap no meio. Alguns artistas já trabalhados por eles além do MGMT incluem Radiohead, Gorillaz, Ellie Goulding, Passion Pit, Sufjan Stevens, Yelle, dentre outros.

Ouçam abaixo também minhas “personal favourites”.

Continue Reading…